Arquivo da tag: Timor Leste

E vamos por aí

Poesia e Internet. Uma linguagem e um instrumento de comunicação. Talvez os poetas mais antigos, em suas solidões nos autoconfessionários da alma, nunca imaginaram que, um dia, estariam tão próximos de seus leitores. Sem preconceitos e sem barreiras geográficas. O Banco da Poesia registra depoimentos de pessoas simples, a manifestar seu gosto pela poesia. E, nesta interação instantânea, nosso blog, assim como milhões de sites publicados na rede, percorre os caminhos das estrelas e atinge habitantes de qualquer parte do planeta sensíveis ao mundo da poesia.

Começamos, em nossos primeiros dias, a travar contato com o poeta espanhol Francisco Cenamor, que edita o blog Asamblea de Palabras. Ele já é nosso correntista e registrou por lá a entrada do Banco da Poesia na rede. Depois publicamos poemas de Vera Lucia Kalahari, que vive em Angola e percorre as sendas da África ainda misteriosa e sofrida. Imediatamente ela nos chama de amigo e se corresponde conosco como se fôssemos vizinhos de janela. Mas outro português, lá na cabeça da Europa, lê seus poemas e os republica em seu blog. E nos manda um simpático recado:

Olá, Cleto de Assis
Parabéns pelo seu bonito e útil blogue.Tomei a liberdade de republicar um poema da Vera Lúcia  publicado no seu blogue.

Rui Moio.” http://sentirsentidos.blogspot.com/2009/08/viagem.html

Nosso mais recente amigo de infância foi mais longe: reproduziu o texto publicado no Banco da Poesia no Google Reader, ampliando ainda mais a leitura do que publicamos. E nos abre um relicário de belos poemas de vasto panorama da lusofonia.

Também já não quer dizer nada imaginar que o Timor Leste está lá do outro lado da Terra. Logo após à publicação de cinco poemas de poetas timorenses, obtivemos respostas amoráveis, a primeira já consignada no post específico, que nos recomenda outros poetas timorenses: “Este Banco de Poesia (está de parabéns pela iniciativa e assim é mais um a divulgar Timor Leste) que não esqueça esses que sentem Timor de uma forma tão sensível. Sem egoísmos,  publiquem os seus trabalhos, porque eles são arte genuína de Timor do Sol Nascente”, nos diz J. Rodrigues Sarmento, lá do outro lado da Terra, editor do blog Aqui é Timor-Leste.

E também de imediato nos vem a notícia de que o Banco da Poesia foi recomendado ao leitores do blog Uma Lulik , também do Timor Leste, como “um blog em destaque – Visite o blogue Banco da Poesia e leia poesias de Crisódio T. Araújo, Fernando Sylvan, Jorge Barros Duarte, Jorge Lauten e Ruy Cinatti ilustradas com belas imagens representativas”.

Já o responsável pelo site social Portugalmaresias, João Raimundo Goçalves, de Costa de Caparica, Portugal, nos dá conta que criou “um espaço de amizade onde se cruzam a poesia e a prosa, os cheiros e os sabores da Lusofonia”. E nos convida a participar (convite aceito!) do seu recanto eletrônico.

E por aí vamos. A encurtar os mares e aproximar as terras à vista. A criar amizades e fortalecer solidariedades. Graças à poesia. (C. de A.)

Do outro lado da Terra, no Timor Leste

Timor Leste ocupa apenas metade da área total da ilha, a parte oriental, além de um enclave na metade oeste, que é ainda dominada pela Indonésia

Timor Leste ocupa apenas metade da área total da ilha, a parte oriental, além de um enclave na metade oeste, que é ainda dominada pela Indonésia

Já publiquei um poema sobre o Timor Leste, escrito pela poeta portuguesa Sophia de Mello Breyner Andressen (leia aqui). Agora chegou a vez dos timorenses da gema, nossos mais recentes irmãos lusófonos. Eles vivem em uma pequena ilha do Oriente, em território menor que Sergipe, que é o nosso menor estado. Seu nome oficial é República Democrática de Timor-Leste. É um dos países mais jovens do mundo e ocupa a parte oriental da ilha de Timor, na Ásia, além do enclave de Oecussi, na costa norte da banda ocidental de Timor. Pertencem ainda à nova república a ilha de Ataúro, a norte, e o ilhéu de Jaco, ao largo da ponta leste da ilha. As únicas fronteiras terrestres que o país tem ligam-no à Indonésia, a oeste da porção principal do território, e a leste, sul e oeste de Oecussi-Ambeno, mas tem também fronteira marítima com a Austrália, no Mar de Timor, a sul. Sua capital é Díli, situada na costa norte.Possui cerca de 1 milhão e 200 mil habitantes

Timor já era habitada há cerca de 12 mil anos a.C. Os portuguesses aportaram na ilha em 1512 e passaram a explorá-la em razão de seus produtos naturais, principalmente o sândalo, madeira utlizada inclusive para a perfumaria. Depois de passar quatro séculos como possessão portuguesa, Timor foi invadida pela Indonésia, em uma temporada histórica conturbada e destruidora, que durou praticamente de 1975 a 1999. Mas o território é agora propriedade de uma gente brava e sensivel, onde a poesia sempre foi tradição.

Vamos saudá-la com cinco de seus poetas.

Poema Ancestral

xxxxxxCrisódio T. Araújo
babdok-woman
Lembra os dias antigos
Em que cantavas a pureza
Na nudez dos teus passos e gestos
Ou dançavas na inocente vaidade
Ao som dos «babadok».
Relembra as trevas da tua inquietação
E o silêncio das tuas expectativas,
As chuvas, as memórias heróicas,
Os milagres telúricos,
Os fantasmas e os temores.
Tenta lembrar a herança milenar dos teus avós
Traduzida em sabedoria
E verdade de todos.
Recorda a festa das colheitas,
A harmonia dos teus Ritos,
A lição antiga da liberdade,
Filha da natureza.
Recorda a tua fé guerreira,
A lealdade,
E a ternura do teu lar sem limites,
Nos caminhos do inesperado
Ou no improviso da partilha definitiva.
Lembra pela última vez
Que a história da tua ancestralidade
É a história da tua Terra Mãe…

Meninos e Meninas

xxxxxxFernando Sylvan
Childen at war
Todos já vimos nos livros,
nos jornais, no cinema e na televisão
retratos de meninas e meninos
a defender a liberdade de armas na mão.

Todos já vimos
nos livros, nos jornais, no cinema e na televisão
retratos de cadáveres de meninos e meninas
que morreram a defender a liberdade de armas na mão.

Todos já vimos!
E então?

Menino de Timor

xxxxxxJorge Barros Duarte

Foto de Hakan Ugurlu – Turquia (publicação autorizada)

Menino do Timor – Foto de Hakan Ugurlu – Turquia (publicação autorizada)

Menino de Timor, estás triste?!…
Porquê?!… — Não tenho com quem brincar!
Nem com quem!… Já nem posso falar!…
A minha terra correste e viste

Como só há silêncio e tristeza!…
Assim é na palhota que habito!…
Já nem oiço na várzea um só grito!…
Só vejo gente que chora e reza!…

Que saudade que eu tenho dos jogos
Da minha aldeia agora deserta!…
O “La’o-rai”, que a memória esperta,
Co’as pocinhas na terra, ora a fogos

Mil sujeita!… O “caleic” também era
jogo apreciado da pequenada:
“Hana-caleic”!… de tudo já nada
Resta agora!… Só vejo essa fera

De garra adunca e dente aguçado
A rugir tão feroz que ninguém
A doma já, pois tem medo não tem
De um povo à fome, sem horta ou gado!…

Menino, sou, mas sofro já tanto
Como se fora de muita idade
E co’a alma cheia só de maldade!…
Jesus, tem pena deste meu pranto!…

Jesus Menino, dá-me alegria!…
Se na minha terra é tudo tão triste!…
Gente tão má neste mundo existe?!…
Coisas assim tão ruins?!… Não sabia!…

Não mais sob a árovore de Bô

xxxxxxJorge Lauten

Foto de Hakan Ugurlu - Turquia (publicação autorizada)

Paisagem Timor – Foto de Hakan Ugurlu - Turquia (publicação autorizada)

Não mais a pureza de Ramahyana
o incenso e o sândalo
os pés nus nas pedras do templo

enquanto eles comerem na minha mesa
na velha casa de Dili
não mais me sentarei sob a árvore de Bô

Linha de Rumo

xxxxxxRuy Cinatti

Paisagem Timor – Foto de Hakan Ugurlu - Turquia (publicação autorizada)

Paisagem Timor – Foto de Hakan Ugurlu - Turquia (publicação autorizada)

Quem não me deu Amor, não me deu nada.
Encontro-me parado…
Olho em meu redor e vejo inacabado
O meu mundo melhor.

Tanto tempo perdido…
Com que saudade o lembro e o bendigo:
Campo de flores
E silvas…

Fonte da vida fui. Medito. Ordeno.
Penso o futuro a haver.
E sigo deslumbrado o pensamento
Que se descobre.

Quem não me deu Amor, não me deu nada.
Desterrado,
Desterrado prossigo.
E sonho-me sem Pátria e sem Amigos,
Adrede.

No oriente, um mundo de Sophia

Sophia

Recordo-me de descobrir que num poema era preciso que cada palavra fosse necessária, as palavras não podem ser decorativas, não podiam servir só para ganhar tempo até ao fim do decassílabo, as palavras tinham que estar ali porque eram absolutamente indispensáveis. Isso foi uma descoberta.

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto a 6 de Novembro de 1919 e faleceu em Lisboa a 2 de Julho de 2004. Da infância aristocrática e feliz passada no Porto ficaram imagens e reminiscências que povoam, de forma explícita ou alusiva, a sua obra poética e ficcional, particularmente os contos para crianças: a casa do Campo Alegre, o jardim, a praia da Granja (sobre a qual escreveria, em 1944, em carta a Miguel Torga: “A Granja é o sítio do mundo de que eu mais gosto. Há aqui qualquer alimento secreto”), os Natais celebrados segundo a tradição nórdica (também evocados por Ruben A. na sua autobiografia O Mundo à Minha Procura) foram lugares e vivências que marcaram de forma determinante o imaginário da autora. Clara Rocha (ler mais no site do Instituto Camões).

São suas obras de poesia:Poesia, Coimbra, ed. Da Autora, 1944; Dia do Mar, Lisboa, Edições Ática, 1947;  Coral, Porto, Livraria Simões Lopes, 1950; No Tempo Dividido, Lisboa, Guimarães Editores, 1954; Mar Novo, Lisboa, Guimarães Editores, 1958; O Cristo Cigano, Lisboa, Minotauro, 1961; Livro Sexto, Lisboa, Livraria Morais Editora, 1962; Geografia, Lisboa, Ática, 1967; Dual, Lisboa, Moraes Editores, 1972; O Nome das Coisas, Lisboa, Moraes Editores, 1977; Navegações, Lisboa, IN-CM, 1983, Ilhas, Lisboa, Texto Editora, 1989; Musa, Lisboa, Editorial Caminho, 1994; O Búzio de Cós e Outros Poemas, Lisboa, Editorial Caminho, 1997.

No poema que publicamos, Sophia sintetiza parte da saga da libertação do Timor Leste, o representante da lusofonia no Oriente.

PoemaTimor