Arquivo da tag: Solivan Brugnara

Roubado do FB

Solivan Brugnara

beber_oceanos

Quero ver
mar, estrelas, nebulosas,
qualquer imensidão.
Pastorear êxodos.
Cavalgar manadas.
Beber oceanos.

O que é um Poema? Solivan responde

E o que é um poema?

Solivan Brugnara


O que é um poema?

A melhor definição de algo é sempre sua palavra,
fora a palavra toda a definição é incompleta.

Pode se dizer que um homem
é um bípede,
mas se alguém não anda
ele continua sendo humano.

Que são racionais
mas se alguém nasce sem cérebro
ele continua sendo humano,
portanto bípede e racionais são em si conceitos falhos
que não servem para todos os humanos,
então a melhor definição para o que é homem
é a palavra homem.

Como a melhor definição para a poesia
é a palavra poesia.
E a melhor definição da uma árvore
é a palavra árvore,
e a melhor definição da pedra
é a palavra pedra.

E uma pedra tem alma
e uma árvore também tem alma,
tudo tem alma,
porque, se olhássemos
as pedras
apenas como pedras
e as árvores
apenas como árvores
nós é que não teríamos alma.

Porque uma pedra
não olha a alma de  outra pedra
nem uma árvore
olha para alma de outra árvore.

Apenas quem tem alma
consegue ver almas em coisas
inanimadas.

_____________

Ilustração: Cleto de Assis, sobre Pensador, de Rodin

Paisagem nupcial de Solivan Brugnara

Casamento / Solivan Brugnara


Minha noiva entrou
com um véu de névoa branca e fria
vinda do sul.
A grinalda feita com o calor
verde da Amazônia
e flores de maçãs mordidas.
Vestia plumagens
de um pavão branco orvalhado de pérolas.
O seu útero era adornado pelo nosso filho.
Os violinos espalharam um canto nupcial
e bandos de andorinhas evoluíram na nave
para se alimentar das notas musicais.
Os convivas cresceram, como jardins na primavera
e floriram sorrisos.
As alianças estavam
num estojo de veludo azul
sobre um pedacinho de nuvem
atadas com tranças
que eu mesmo fiz
com trinados de canários e sanhaços selvagens
colhidos em um domingo silencioso.
Gérberas vermelhas, rosas alvas
brotaram em buquês no cedro dos bancos.
Então a cerimônia juntou nossos corações
e nos deu pão com gosto de vôo de pomba.
Depois viajamos.
Era noite,
ramalhetes de raios decoravam o céu
e pedaços de nuvens
caíram sobre o carro
até nosso quarto
de mobílias feitas de perfumes
e música.
Deitamos sobre almofadas
preenchidas com sombras de gansos
e com odor róseo de sua pele,
tingimos sete dias de prazer.

O azul dos poetas

De todas as cores, parece-me ser o azul o que mais habita os sonhos dos poetas. Confunde-se com a imensa paz cerúlea, com o misterioso índigo das águas, com as safiras líquidas que dão brilho a olhos tristes. “Azuis os montes que estão longe param”, via Pessoa na paisagem campestre. Ou, ainda:

O céu, azul de luz quieta.
As ondas brandas a quebrar,
Na praia lúcida e completa —
Pontos de dedos a brincar.

Dois poetas, já correntistas do Banco da Poesia, retiram de suas paletas verbais azuis intensos: José Dias Egipto, do Porto, Portugal (ver outros azuis seus aqui) e Solivan Brugnara, de Quedas do Iguaçu, Brasil. Ambos próximos a águas famosas.

A Azul Cendal dos Sentidos / José Dias Egipto


Não basta ser grão,
semente apenas plantada
luz parada
que espera o clarão.

É preciso agitar
os ventos e as nuivens,
chover e molhar,
soprar no chão da razão.

Não é parada que
a centelha aquece…
Não há beleza estagnada,
nem sequer amanhece
se o sol não se excita…

Tem de haver ritmo,
pulsão,
gravidez na matéria,
pão,
para nascer o espírito
nas águas das manhãs.

Tem de haver dor,
movimento,
um constante ferver
do entendimento,
para crescer o amor
em nossas mãos!

Libélula Azul / Solivan Brugnara

Canto com um azul
da melopéia concreta
a libélula azul,
brilho azul,
reverberações azuis metálicas
de peixe azul prateado
azul, azul, azul
no seu exoesqueleto
as cintilações
têm um tilintar azul.
Luz azul

Luz azul

Passa num assobio azul
libélula azul,
cavalo de fada,
broche de safira no vento.
Libélula azul
que enfeita a boca do camaleão
na minha,
quando mastigo tuas sílabas
com um gosto
azul-amargo metálico de âmago,
deixa um persistente
hálito de libélula azul.

Logopéia azul
penso, logo não existo
que existir é coisa concreta
você apenas sente
libélula
e existe um pouco mais.
O osso não pensa, não sente
ele existe, mais que nós
dois juntos.

Libélula,
quando eu for ossos
passo a existir libélula,
quando minhas substâncias
mesclarem-se ao planeta
e moverem-se somente pelos dedos
das leis da física,
libélula
esses dedos musicais
são única parte que conhecemos
do corpo de Deus,
libélula.

Fanopéia,
e se meu indicador
fosse azul, seria sua fêmea,
libélula azul
e se as minhas cordas vocais fossem de cristal
e cantassem como pássaro,
uma única nota vibrante longa e aguda,
e a respiração tivesse
sonoridade de água corrente
pousaria no meu peito
sobre
o meu coração de pedra
coberto de musgos
pousaria nele, libélula?
Quero
porque toda a pedra em que pousa
vira adjetivo, libélula azul.

Solivan Brugnara, vindo das águas e das estrelas

Solivan lê um de seus poemas na Semana da Poesia de 2008

Solivan Brugnara me parece ter a timidez dos gênios, apesar de portar um nome que lembra cantor de ópera. Eu conheci seus poemas no blog de J.B. Vidal, Palavras, Todas Palavras. Um deles, em especial, me entusiasmou pela coragem de ser contrário a uma onda de aprovações ideológicas aos atos de terrorismo no Oriente Médio. Vai abaixo o poema e meu comentário, em agosto de 2008. Depois o conheci pessoalmente na Semana da Poesia Paranaense organizada por Manoel de Andrade em setembro do mesmo ano, no Espaço Cultural Massuda. Um papo muito rápido, que ficou devendo outros encontros.

Solivan já deveria ter feito depósitos no Banco da Poesia desde o princípio de nosso trabalho na rede. Mas ele não veio e tive que convidá-lo, há alguns dias.

Mandou-me, generosamente, seus livros impressos em edições pessoais, com o cuidado de artista gráfico que também é. E uma série de poemas, que ficam investidos na bolsa de futuro imediato desta instituição bancária.

Dele já falou muito bem Ademir Demarchi, escritor, editor da revista de poesia Babel: “Solivan Brugnara escreve como quem parece querer fazer pacotes congelados de palavras, esmagadas, amarfanhadas, constituindo miscelâneas cuja característica é fugir a um estilo único e agir como uma ventosa que suga todas as possibilidades de expressão, sempre ainda insuficientes, afinal o sentido da vida e, em última instância, da palavra, é inalcançável, ainda que se possa percorrer o caminho da sua busca”.

Mais dados sobre sua biografia virão depois, pois sua ficha cadastral ainda não está completa. Apenas a inscrição, em letras garrafais grafadas em vermelho: De Quedas do Iguaçu, PR, um poeta dos bons, sem dúvida alguma.

Vamos rememorar, primeiro, o poema que me revelou Solivan, em julho de 2008.

Lições de marketing para um terrorista

xxxxMustafá,
xxos aviões que balearam
xxxxo estômago das torres gêmeas
xxe fizeram ambas morrerem,
xxxxgritando como um pterodáctilo
xxxxxxsangrando fumaça e fogo.

Ou bombas que fazem desmoronar
xxxesses castelos de areia
xxxcimento e cal da ONU.

E também
xxxexplosões em bares
xxxxxxonde pessoas estavam pacificamente,
xxxxxxxxsendo amamentadas com cerveja.

São exemplos da covardia do fraco contra o forte.

xxxSeus métodos só fazem
xxxxuma mulher morta
xxxse transformar em abelha rainha
xxxem torno da qual
xxxxas opiniões formam uma enorme e perigosa
xxxcolméia de unanimidades.

xxxFazem uma gravata
xxxou um cartão de crédito ensanguentado
xxxxxtornarem-se ícones.

xxE mesmo se matar com sua bomba aleatória,
xum lobo com pele de cordeiro
xxxé a pele de cordeiro que receberá
xxxxas homenagens do estado,
xxxjá o lobo será levado para a tinturaria
para ser lavado e vendido num brechó.

xxxxxxxEscolha sempre as peças brancas do tabuleiro.
xxxxxxxxxApenas o alvo diferencia
xxxxxxxo herói do fanático.
xxxxxxPõe seu corpo na frente de uma manada
xxxxxde tanques,
xxxxxxxmas se recuse a explodir um ônibus.

xxxE os papiros
xxxxxlidos em amenos cafés da manhã
xxou os pergaminhos eletrônicos
xxxxe talvez, a história
xxtenderão a ser favoráveis a sua causa.

xxxxxxNão, Mustafá,
xxxxelogios da mídia não garantirão sua vitória,
xxmas despetalar pernas e braços de civis também não.
Além do mais,
xxxxxterá mais chances se ferir
xxxxcom um espinho a pata de um exército
xxxque a inócua idéia de matar
xxcoelhos alvos amontoados em metrôs e aeroportos.

Meu comentário, lá no Palavras:

Em um tempo em que nossos dirigentes políticos temem em definir como terroristas seus amigos terroristas; em um tempo em que os segredos da vida são desvendados com maior velocidade e se ela se torna mais sagrada do que a vida cantada nos templos religiosos; em um tempo em que os idealistas do passado não têm coragem para serem revisionistas de suas próprias histórias e idéias; em um tempo em que é mais fácil aderir aos suaves encantos da ira contestadora, dá gosto ler um poema-recado como o de Solivan Brugnara, que não conheço pessoalmente, aprendi a conhecê-lo nesta senda aberta por J.B.Vidal e, mesmo com pouca leitura, já passei a admirar. (C. de A.)

Na falta de dados biográficos, vai a apresentação pessoal em forma poética.

Apresentação


xxxNasci
xxxxxno útero da Via Láctea,
xxxxxxxxxneste óvulo fecundado pelo sol
xxxxxxxxxxxchamado terra
xxxxxxxxxxxxxxxcomo todos.
xxEra fraco,
mantive-me vivo graças às vitaminas, proteínas
xxxxxxxxxxxxxe sais minerais
contidos nas orações de minha avó.
xxxMeu corpo é feito de folhas, carne
xxxxxxxxxxxxxxar, sol e água.
Meu primeiro medo foi que das sementes
xxxxxxxxxxxxxxengolidas nascesse
xxpela minha boca um galho carregado de laranjas.
xxxxxxDas etapas
já mastiguei a doce infância, a amarga adolescência
xxxxxxxxestou roendo o osso da vida adulta
xxxxxxxxxxxxe roer osso é saboroso.
Amanhã morrerei
xxxxaliás absolvo a morte,
é a morte que renova a vida.
xxxPor fim
sou poeta
xxxxporque gosto de lamber
xxxxxxfolhas em branco,
xxlembra-me leite materno.

_______________

A odisséia ou o erro do pavão

O pavão
de olhinhos nervosos
irrequieto bípede
tirou dolorosamente
suas queridas penas
uma a uma
e colou
em folhas de papel sulfite.
Despiu-se de suas jóias
transgrediu o pudor
sentiu frio
ficou só
sua família não aguentou
a verdade nua.
Não satisfeito
regurgitou a pouca quirela
do jantar
e vendo o vômito convulso e amarelo
lembrou-se de Van Gogh
e chorou.
Colou sua bile no sulfite
e com as folhas e penas e vômitos
profissionalmente encadernados,
a pobre ave implume
saiu a procura de editor.


Seria mais fácil, pássaro
achar editor
se deixasse as penas no corpo
e levasse as folhas em branco
profissionalmente encadernadas
sempre
profissionalmente encadernadas.

Solivan Brugnara