Morre mais um poeta

Quando morre um poeta, não creio que sua alma migre para qualquer lugar, paraísos, nirvanas, campos elíseos ou qualquer outro endereço. Acredito firmemente que sua alma permanece entre nós. Na obra que deixa, no registro de sua sensibilidade, na criatividade essencial para a formação da alma. Nesse sentido, podemos falar de uma alma imortal, de um espírito imanente ao seu legado literário. Assim também vale para todos os artistas e para todas as pessoas de quem possamos falar – que alma boa ela tem.

Há dois dias morreu um poeta mexicano, da mesma terra que já nos deu um Octavio Paz, um Carlos Fuentes, uma Sor Juana Inés de la Cruz e outros tantos de interminável lista, em todas as épocas da história do México pré e pós-colombiana. Sim, porque houve um Nezahuacóyotl, imperador, arquiteto e poeta asteca, a quem se atribuem vários poemas. (Na nota mexicana de 100 pesos está registrado uma de suas composições poéticas: Amo o canto do zenzontle / Pássaro de quatrocentas vozes, / Amo a cor do jade / E o enervante perfume das flores, / Porém mai amo a meu irmão, o homem) O poeta que nos deixou há pouco se chamava José Emilio Pacheco.

especiales_joseemiliopacheco2_624x351

Nascido em 30 de junho de 1939 e falecido em 26 de janeiro de 2014, José Emilio Pacheco pode ser considerado um artista completo e comprometido, que cultivou quase todos os gêneros literários, além de ter incursionado na edição e na direção de publicações de interesse cultural, tais como a revista Estaciones. Por outro lado, dedicou-se a traduzir diversas obras do inglês, de autores do porte de Oscar Wilde, T.S. Eliot, Samuel Becket e Tennessee Williams. Foi profesor em universidades de muitas partes do mundo, como nos Estados Unidos, Canadá e Grã Bretanha, além de seu país. Não bastasse, são notáveis seus aportes à pesquisa nos campos da antropologia e da história.

Seu trabalho foi sumamente reconhecido em várias oportunidades. Entre outros galardões, recebeu o Prêmio Cervantes (2009); o Prêmio Rainha Sofia de Poesia Ibero-americana (2009); os prêmios José Donoso (2001), Octavio Paz (2003), Pablo Neruda (2004) e Ramón López Velarde (2003); o Prêmio Internacional Alfonso Reyes (2004); o José Asunción Silva (1996); o Xavier Villaurrutia (1973); o García Lorca (2005) e o Prêmio Alfonso Reyes, outorgado por El Colegio de México (2011).

Destacou-se pelo impecável uso da linguagem, a magistral destreza com a que plasmava em uma folha as imagens mais variadas e profundas, como é possível apreciar em seu poema “Ecuación de primer grado con una incógnita“. Entre seus livros publicados, encontramos os poemários “Los elementos de la noche” e “Desde entonces“, e as novelas “Morirás lejos” e “Las batallas en el desierto“. Seu poema Alta traición é talvez o mais célebre entre a juventude mexicana.

Carlos Monsiváis, seu compatriota e contemporâneo, assim se referiu sobre o estilo do escritor:

Carlos Monsivaes

Carlos Monsivaes

A paixão pela metáfora, a concentração em umas quantas linhas de um relato quase sempre pesaroso, o gosto pelos relatos inesperados, o desprendimento do poder de síntese, o exercício múltiplo da metáfora, o jogo de analogias como espelhos da devastação, o elogio jubiloso da paisagem. Em poesia, ajusta seus dons melancólicos, seu pessimismo que é resistência ao autoengano, sua fixação do lugar da crueldade no mundo, seu poderio aforístico.

Em  2010 deixou uma série de objetos na Caixa das Letras do Instituto Cervantes a serem abertos 100 anos depois, em 2110. No momento do depósito afirmou:

“Aqui o deixo para que quem abra isto em cem anos saiba quem fui, porque não creio que alguém recorde minha obra”.

Sua morte ocorreu em 26 de janeiro de 2014 devido a uma parada cardiorrespiratória.

(Fontes: Wikipédia e Poemas del Alma)

____________________

Ecuación de primer grado con una incógnita

En el último río
de la ciudad, por error
o incongruencia fantasmagórica, vi
de repente un pez casi muerto. Boqueaba
envenenado por el agua inmunda, letal
como el aire nuestro. Qué frenesí
el de sus labios redondos,
el cero móvil de su boca.
Tal vez la nada
o la palabra inexpresable,
la última voz
de la naturaleza en el valle.
Para él no había salvación
sino escoger entre dos formas de asfixia.
Y no me deja en paz la doble agonía,
el suplicio del agua y su habitante.
Su mirada doliente en mí,
su voluntad de ser escuchado,
su irrevocable sentencia.
Nunca sabré lo que intentaba decirme
el pez sin voz que sólo hablaba el idioma
omnipotente de nuestra madre la muerte.

peixe_agonizante

Equação de primeiro grau com uma incógnita

No último rio
da cidade, por erro
ou incongruência fantasmagórica, vi
de repente um peixe quase morto. Agonizava
envenenado pela agua imunda, letal
como o ar nosso. Que frenesi
o de seus lábios redondos,
o zero móvel de sua boca.
Talvez o nada
ou a palavra inexpressável,
a última voz
da natureza no vale.
Para ele não havia salvação
senão escolher entre duas formas de asfixia.
E não me deixa em paz a dupla agonia,
o suplício da água e seu habitante.
Seu olhar dorido em mim,
sua vontade de ser ouvido,
sua irrevogável sentença.
Nunca saberei o que tentava dizer-me
o peixe sem voz que somente falava o idioma
onipotente de nossa mãe, a morte.

Alta traición

No amo mi patria.
Su fulgor abstracto
es inasible.
Pero (aunque suene mal)
daría la vida
por diez lugares suyos,
cierta gente,
puertos, bosques de pinos,
fortalezas,
una ciudad deshecha,
gris, monstruosa,
varias figuras de su historia,
montañas
(y tres o cuatro ríos).

Não amo meu país

Alta traição

Não amo minha pátria.
Seu fulgor abstrato
é inapreensível.
Porém (ainda que soe mal)
daria a vida
por dez lugares seus,
certa gente,
portos, bosques de pinheiros,
fortalezas,
uma cidade desfeita,
gris, monstruosa,
várias figuras de sua história,
montanhas
(e três ou quatro rios).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s