Domingos Pellegrini lança novo livro em Curitiba

A história da mãe do escritor Domingos Pellegrini

Jaime Cimenti

O consagrado e premiado escritor Domingos Pellegrini estreou na literatura em 1977, com o livro de contos O Homem Vermelho, premiado com o Prêmio Jabuti. Com o romance O Caso da Chácara Chão, de 2001, recebeu outro Jabuti. Com outros romances e livros de poesia, recebeu mais quatro Prêmios Jabuti. Há quinze anos o autor vive de literatura, depois de ter se mudado para uma chácara na cidade onde nasceu, Londrina. Herança de Maria é uma alentada narrativa de 416 páginas que retrata a vida da mãe do escritor, uma mulher forte, que nasceu menina humilde no interior do Paraná, tornou-se dona de pensão, engravidou sem saber direito o que era um parto, desafiou um soldado da ditadura com tapa na cara para proteger o filho e viveu separada do marido na época em que isso era uma vergonha. Era mulher com resposta para tudo. As primeiras páginas do romance iniciam com Maria, aos 80 anos, em coma. As mãos fortes, que no passado bateram o pilão, estão, agora, imóveis, repousando sobre seu peito. Este romance é a estreia de Pellegrini na Editora LeYa Brasil. A narrativa é intensa, comovente e envolve lembranças, cartas antigas encontradas em caixas de sapato, memórias e conversas com quem conheceu Maria ao longo da vida. Descrevendo a trajetória de Maria, o protagonista e alterego do autor fica ao seu lado no quarto, observando-a e acabando por reconstruir  momentos da vida de nosso Brasil destas últimas décadas, através de suas ideologias e mudanças. O filho não sabe se Maria, com o corpo inerte, vai durar dias, meses ou anos. A decisão sobre o final da vida da mãe cabe a Deus, mas a ele também. Que morte deveria ter aquela Maria especial? O que poderia ser feito depois de tantas décadas de luta? Como lembrar dos caminhos de  tantos homens, mulheres, civis, militares, jovens e crianças, envoltos num período marcante da História do Brasil? O protagonista lembra, relembra, imagina e vai construindo o possível. Ele decide que aquela mulher extraordinária, forte, íntegra, corajosa, capaz de operar verdadeiros “milagres”, merece algo mais grandioso do que simplesmente viver na inércia de um vegetal.  Editora LeYa, 416 páginas, R$ 44,90, www.leya.com.br.

________________________

Conheci Maria, a real, apenas de raspão. Mais precisamente, ao atender dois telefonemas que ela fez à redação do Novo Jornal, em Londrina  – lá pelos idos de 1970 – cujo redator-chefe era o jovem e talentoso jornalista Domingos Pellegrini,  seu filho. Mãe zelosa, reclamava do fato de o “menino” estar trabalhando até altas horas, quando deveria estar em casa. Anos mais tarde, quando conversamos, em um de nossos reencontros, ele descreveu a tragédia de ver sua mãe padecer, à beira da morte. Era, talvez, um rápido trailer do livro que agora expõe ao público, numa primorosa edição da LeYa, de editores portugueses que, novamente, estão descobrindo o Brasil, sem muito alarde, mas com um catálogo já bem fornido. Obras como Uma Patada com Carinho, da cartunista Fabiane Bento Langona (Chiquinha);A Bossa do Lobo, na qual Denilson Monteiro conta a vida de Ronaldo Bôscoli; Historietas assombradas, de Victor-Hugo Borges; O fim da guerra, de Denis Russo Burgierman, e Escritos em verbal de aves, do poeta Manoel de Barros.

A editora LeYa também investe, agora, na reedição do livro do curitibano Leandro Narloch, o Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil, um best-seller que já vendeu 200 mil exemplares, desde seu lançamento, em 2009.  Desta vez ele será vendido em uma caixa, associado ao Guia Politicamente Incorreto da América Latina, que Narloch escreveu em parceria com seu colega de Veja, Duda Teixeira. Anuncia-se que a tiragem da dupla será de 70 mil exemplares, um número realmente expressivo no mercado editorial do Brasil.

Pellegrini lançou seu novo livro em Curitiba no último dia 25 de novembro, no bar Quintana. Como sempre, reuniu amigos e admiradores de sua literatura, mostrando mais uma história bem contada, que pode ser a história de milhões de brasileiros que vivem simplesmente em pacatas cidades do interior, com raízes na roça. Uma história de amor filial e amor materno, sem ser melodramática. Uma história como essas que a gente guarda na memória da criança que todos fomos e que muitos esquecem. A intimidade familiar e a onipresença de Maria, a simples, a batalhadora, a sofredora, mais heroína do que o próprio filho que queria ser herói para salvar o Brasil de todas as suas desgraças. Pelo menos até onde já fui, na leitura de A Herança de Maria, deu para perceber que Domingos Pellegrini alia as suas qualidades de excelente narrador, poeta e historiador da simplicidade ao sentimento de gratidão pelo que recebeu de sua mãe, nas contínuas heranças de dedicação. Seu livro é uma grande herança ao revés, que dela não recebeu, mas que entrega carinhosamente após sua morte.

Este novo reencontro com Domingos Pellegrini também me deu a oportunidade para rever velhos amigos londrinenses, como os que aparecem na foto. Faltou Nilson Monteiro, também amigo e colaborador do Novo Jornal, que já havia saído na hora do “instantâneo”. Obrigado, Dinho, por mais esta jóia literária. Cleto de Assis

Claret de Rezende, Cleto de Assis, Ricardo Sampaio e Domingos Pellegrini, colegas nos tempos áureos da Folha de Londrina. Embeleza a foto Dalva, esposa de Pellegrini

3 Respostas para “Domingos Pellegrini lança novo livro em Curitiba

  1. Domingos Pellegrini

    Cleto, fico muito grato por sua gentileza de divulgar Herança de Maria, e mais especialmente grato por pinçar da memória uma lembrança de minha mãe, que era assim mesmo, dedicada aos filhos, corujona. Seus comentários me gratificam com a certeza de ter escrito um romance que dignifica o humano. Abraço!

  2. Manoel de Andrade

    Domingos, meu caro, não pude ir. O coração não me deixou, mas palpitou pelo amigo. O Cleto me entregou o livro com teu autógrafo. Obrigado.
    A pequena resenha que ele fez vai fazer teu livro furar a fila. Releio o Huasipungo de Jorge Icaza e depois, Herança de Maria.
    Que boa fase criativa você anda. Parabéns.
    Um fraterno abraço!

  3. rosimary rodrigues de carvalho

    “O Caso da Chácara Chão” e “Terra Vermelha” atestam a belíssima narrativa de Domingos Pellegrine, o que, com certeza, “Herança de Maria” só reafirma e nos faz sentir orgulho de ser paranaense. Amado Pellegrini. Abraço, Rosi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s