Carícias e palavras acariciantes de Alfonsina

Um mês após a morte de Alfonsina Storni (Argentina,  1892 – 1938), intencionalmente buscada em uma praia de Mar del Plata, um senador seu compatriota a homenageou com estas palavras: «Nosso progresso material assombra a nós e a estranhos. Construímos urbes imensas. Centenas de milhões de cabeças de gado pastam na imensurável planície argentina, a mais fecunda da terra; mas frequentemente subordinamos os valores do espírito aos valores utilitários e não conseguimos, com toda nossa riqueza, criar una atmosfera propícia onde pode prosperar essa planta delicada que é um poeta».

Não serão, certamente, as palavras momentaneamente sábias de um político que farão prosperar o jardim da poesia. As flores sempiternas são os poemas que se produzem e se reproduzem sem cansar ou corromper ouvidos e corações. Alfonsina se foi muito cedo, afogada em água e amor transbordante. E deixou-nos suas belas palavras, suas plantas delicadas, flores, muitas flores.

Para ver mais de Alfonsina, no Banco da Poesia, clique aqui e aqui.

Alfonsina y la mar Banco da Poesia

Ilustração de C. de A. sobre uma foto de Pilar Azaña (Espanha)

La caricia perdida

Se me va de los dedos la caricia sin causa,
se me va de los dedos… En el viento, al pasar,
la caricia que vaga sin destino ni objeto,
la caricia perdida ¿quién la recogerá?

Pude amar esta noche con piedad infinita,
pude amar al primero que acertara a llegar.
Nadie llega. Están solos los floridos senderos.
La caricia perdida, rodará… rodará…

Si en los ojos te besan esta noche, viajero,
si estremece las ramas un dulce suspirar,
si te oprime los dedos una mano pequeña
que te toma y te deja, que te logra y se va.

Si no ves esa mano, ni esa boca que besa,
si es el aire quien teje la ilusión de besar,
oh, viajero, que tienes como el cielo los ojos,
en el viento fundida, ¿me reconocerás?

A carícia perdida

Vai-se de meus dedos a carícia sem causa,
vai-se dos dedos… No vento, ao passar,
a carícia que vaga sem destino nem objeto,
a carícia perdida, quem a recolherá?

Pude amar esta noite com piedade infinita,
pude amar o primeiro que acertasse em chegar.
Ninguém chega. Estão sós os floridos caminhos.
A carícia perdida, rodará… rodará…

Se nos olhos te beijam esta noite, viajante,
se estremece os ramos u. doce suspirar,
se te oprime os dedos uma pequena mão
que te toma e te deixa, que te alcança e se vai.

Se não vês essa mão, nem essa boca que beija,
se é o ar quem tece a ilusão de beijar,
oh, viajante, que tens como o céu os olhos,
no vento fundida, me reconhecerás?

Dos palabras

Esta noche al oído me has dicho dos palabras
comunes. Dos palabras cansadas
de ser dichas. Palabras
que de viejas son nuevas.

Dos palabras tan dulces que la luna que andaba
filtrando entre las ramas
se detuvo en mi boca. Tan dulces dos palabras
que una hormiga pasea por mi cuello y no intento
moverme para echarla.

Tan dulces dos palabras
?Que digo sin quererlo? ¡oh, qué bella, la vida!?
Tan dulces y tan mansas
que aceites olorosos sobre el cuerpo derraman.

Tan dulces y tan bellas
que nerviosos, mis dedos,
se mueven hacia el cielo imitando tijeras.
Oh, mis dedos quisieran
cortar estrellas.

Duas palavras

Esta noite ao ouvido me disseste duas palavras
comuns. Duas palavras cansadas
de ser ditas. Palavras
que de tão velhas são novas.

Duas palavras tão doces que a lua que andava
filtrando-se entre a ramagem
se deteve em minha boca. Tão doces duas palavras
que uma formiga passeia por meu pescoço e não tento
mover-me para expulsá-la.

Tão doces duas palavras
que digo sem querer: oh, que bela, a vida!
Tão doces e tão mansas
que óleos aromáticos sobre o corpo derramam.

Tão doces e tão belas
que, nervosos, meus dedos,
Se movem em direção ao céu, a imita tesouras.
Oh, meus dedos quiseram
cortar estrelas.

(Versões de C. de A.)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s