O centenário de Nelson Cavaquinho

Nelson Cavaquinho, vivo fosse, teria festejado seu centésimo aniversário no último dia 29 de outubro. Pediria flores, necessárias durante a vida e não quando a gente se chamar saudade. Perderia mil cavalos por um samba em boa companhia, ao contrário de Ricardo III, que, segundo Shakespeare, prometeu seu reino em troca de um solípede. Considerava-se um poeta, antes de sambista, e premeditou a dor de Mangueira quando ele partisse. E seus versos assim o comprovam, pois ele, com simplicidade e enorme sensibilidade, sabia moldar com palavras o seu cotidiano. A música popular brasileira está repleta de exemplos de bons poetas sem  academia. Difícil encontrar quem não se impressionou com os famosos versos de Cartola, outro admirável poeta da MPB, ao aconselhar uma antiga namorada, em A vida é um moinho: “Ouça-me bem, amor / preste atenção, o mundo é um moinho / vai  triturar teus sonhos, tão mesquinho / vai reduzir as ilusões a pó”. Ou, em As rosas não falam: “Queixo-me às rosas / mas que bobagem / as rosas não falam / simplesmente as rosas exalam / o perfume que roubam de ti”.

A mesma beleza singela foi colocada em música por Nelson Cavaquinho, nome artístico de de Nelson Antônio da Silva, (Rio de Janeiro, 29 de outubro de 1911—18 de fevereiro de 1986) um dos mais importantes sambistas cariosas, compositor, cavaquinista e violonista. E poeta, sim, senhores e senhoras.  Vejamos alguns exemplos.

 Quando eu piso em folhas secas
Caídas de uma mangueira
Penso na minha escola
E nos poetas da minha estação primeira

(de Folhas secas)

Capa do disco As flores em vida, Eldorado

Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor
Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca flor
Eu só errei quando juntei minh´alma à sua
O sol não pode viver perto lua

(de A flor e o espinho)

Me dê as flores em vida
O carinho, a mão amiga,
Para aliviar meus ais.
Depois que eu me chamar saudade
Não preciso de vaidade
Quero preces e nada mais

(de Quando eu me chamar saudade)

Desenho de Marcus Wagner

 O sol….há de brilhar mais uma vez
A luz….há de chegar aos corações
Do mal….será queimada a semente
O amor…será eterno novamente

(de Juízo Final)

Ilustração de Milton Luiz

A luz negra de um destino cruel
Ilumina um teatro sem cor
Onde estou desempenhando o papel
De palhaço do amor

(de Luz Negra)

A flor e o espinho

Quando eu me chamar saudade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s