Vida, Paixão e Morte de César Vallejo

César Vallejo, por Pablo Picasso - 1938

A poesia de César Vallejo, até onde consegui conhecê-la,  me parece dividida entre o culpar a sociedade pelas injustiças sociais e o assumir culpas produzidas por excessiva educação religiosa. Conta sua biografia que, membro de uma família com doze filhos, dos quais ele era o menor, estaria destinado a ser padre, o que era ou é comum nas famílias católicas da América Latina, em especial nos países hispanos, onde a tradição religiosa sempre foi mais arraigada. Ele mesmo teria admitido essa vocação, em sua infância, e deve ter recebido profunda influência no conhecimento bíblico e de toda a liturgia de sua crença, tanto que seus textos poéticos seriam, mais tarde, impregnados por essa mística, além do tema obsessivo da Vida e da Morte.

Vallejo viveu as contradições da sociedade européia da primeira metade do Séc. XX, contaminada e desgastada por duas grandes guerras e por acaloradas discussões ideológicas, notadamente pelo marxismo que organizara a União Soviética. Participou, como correspondente, dos conflitos da Guerra Civil Espanhola (1936-1939), o que lhe serviu até mesmo como inspiração poética.

Sua vida e obra bem demonstram que seus principais conflitos foram existenciais, dividido entre uma santidade que seus pais haviam presumido para ele e a revolta ante a injustiça social, que o levou a extremos caminhos políticos. Entretanto, dentro dele viveu um homem íntegro e um poeta completo. Talvez não tenha visto a realização do que sua esperança desenhava como um mundo diverso daquele que testemunhava em vida, mas com certeza tornou o mundo melhor com sua poesia. C. de A.

____________________________________________________________

Dados biográficos

César Vallejo nasceu em 1892, em Santiago de Chuco, região andina localizada ao norte do Perú, no seio  de uma família com origens espanholas e indígenas. Desde pequeno conheceu a miséria, mas conheceu o benévolo o afeto familiar. Longe de sua família, nunca escondeu que sofria de um incurável sentimento de orfandade.

Estudou na Universidade de Trujillo, cidade onde descobriu a boemia, influenciado por jornalistas, escritores e políticos rebeldes. Em Trujillo, Vallejo publicou seus primeiros poemas antes de chegar a Lima no final de 1917. Nesta cidade lança seu primeiro livro: Los Heraldos Negros (impresso em 1918, lançado em 1919), um dos mais representativos exemplos de pós-modernismo.

Casa de Vallejo, em Santiago de Chuco, Perú

Em 1920 faz uma visita a sua cidade natal e acaba se envolvendo em confusões que o levaram a cadeia, onde permaneceu por cerca de três meses. Esta experiência teve uma profunda influência em sua vida e em sua obra, refletindo diretamente em vários poemas de seu segundo livro, Trilce (1922), considerada como uma obra fundamental da renovação da linguagem poética hispanoamericana. Em Trilce Vallejo se afasta dos modelos tradicionais que, até então, havia seguido, adotando uma linha mais modernista e realizando um angustiante e desconcertante mergulho nos abismos da condição humana, que nunca antes haviam sido explorados.

No ano seguinte parte para Paris, onde permanecerá (fazendo algumas viagens a União Soviética, Espanha e outros países europeus) até o fim de seus dias. Em París, viveu em extrema pobreza e grande sofrimento físico e moral. Participa com amigos como Huidobro, Gerardo Diego, Juan Larrea e Juan Gris de atividades de cunho vanguardista, renunciando a sua própria obra Trilce e, em 1927, aparece firmemente comprometido com o marxismo em sua atividade intelectual e política. Escreve artigos para jornais e revistas, peças teatrais, relatos e ensaios de intenção propagandistas, como Rússia, em 1931. Inscrito no Partido Comunista da Espanha (1931) e designado para ser correspondente, acompanha os acontecimentos da Guerra Civil e escreve o
seu poema mais político: España, aparta de mi este cáliz, que aparece em 1939, impresso por soldados do exército republicano.

Toda a obra poética escrita em Paris e que Vallejo publicou parcamente em diversas revistas, apareceria postumamente naquela cidade com o título: Poemas Humanos (1939). Nesta produção é visível seu esforço em superar o vazio e o niilismo de Trilce
e em incorporar elementos históricos e da realidade concreta (peruana, européia, universal) com os que pretendem manifestar uma apaixonada fé na luta dos homens pela justiça e solidariedade social.

____________________________________________________________

Los Heraldos Negros / César Vallejo

Hay golpes en la vida, tan fuertes … ¡Yo no sé!
Golpes como del odio de Dios; como si ante ellos,
la resaca de todo lo sufrido
se empozara en el alma… Yo no sé!

Son pocos; pero son… Abren zanjas obscuras
en el rostro más fiero y en el lomo más fuerte.
Serán talvez los potros de bárbaros atilas;
o los heraldos negros que nos manda la Muerte.

Son las caídas hondas de los Cristos del alma,
de alguna fe adorable que el Destino blasfema.
Esos golpes sangrientos son las crepitaciones
de algún pan que en la puerta del horno se nos quema.

Y el hombre… Pobre… pobre! Vuelve los ojos, como
cuando por sobre el hombro nos llama una palmada;
vuelve los ojos locos, y todo lo vivido
se empoza, como charco de culpa, en la mirada.

Hay golpes en la vida, tan fuertes… Yo no sé!

Grafismo sobre gravura de Albrecht Dürer

Os Arautos Negros

Há golpes na vida, tão fortes … Eu não sei!
Golpes como do ódio de Deus; como se ante eles,
a ressaca de todo o sofrido
se empossara na alma… Eu não sei!

São poucos; mas são… Abrem valas obscuras
no rosto mais feroz e no dorso mais forte.
Serão, talvez, os potros de bárbaros átilas;
ou os arautos negros que nos manda a Morte.

São profundas quedas dos Cristos da alma,
de alguma fé adorável que o Destino blasfema.
Esses golpes sangrentos são as crepitações
de algum pão que na porta do forno se queima.

E o homem… Pobre… pobre! Volta os olhos, como
quando por sobre o ombro nos chama uma palmada;
volta os olhos loucos, e todo o vivido
se empoça, como charco de culpa, na mirada.

Há golpes na vida, tão fortes… Eu não sei!

Epístola a los Transeuntes / César Vallejo

Reanudo mi día de conejo
mi noche de elefante en descanso.

Y, entre mi, digo:
ésta es mi inmensidad en bruto, a cántaros
éste es mi grato peso,
que me buscará abajo para pájaro
éste es mi brazo
que por su cuenta rehusó ser ala,
éstas son mis sagradas escrituras,
éstos mis alarmados compañones.

Lúgubre isla me alumbrará continental,
mientras el capitolio se apoye en mi íntimo derrumbe
y la asamblea en lanzas clausure mi desfile.

Pero cuando yo muera
de vida y no de tiempo,
cuando lleguen a dos mis dos maletas,
éste ha de ser mi estómago en que cupo mi lámpara en pedazos,
ésta aquella cabeza que expió los tormentos del círculo en mis pasos,
éstos esos gusanos que el corazón contó por unidades,
éste ha de ser mi cuerpo solidario
por el que vela el alma individual; éste ha de ser
mi hombligo en que maté mis piojos natos,
ésta mi cosa cosa, mi cosa tremebunda.

En tanto, convulsiva, ásperamente
convalece mi freno,
sufriendo como sufro del lenguaje directo del león;
y, puesto que he existido entre dos potestades de ladrillo,
convalesco yo mismo, sonriendo de mis labios.

Epístola aos Transeuntes

Reinicio meu dia de coelho
minha noite de elefante em descanso.

E, entre mim, digo:
esta é minha imensidade em bruto, a cântaros
este é meu grato peso,
que me buscará abaixo para pássaro
este é meu braço
que por sua conta recusou ser asa,
estas são minhas sagradas escrituras,
estes meus alarmados testículos.

Lúgubre ilha me alumbrará continental,
enquanto o capitólio se apoie em meu íntimo desmoronamento
e a assembleia em lanças enclausure meu desfile.

Porém quando eu morra
de vida e não de tempo,
quando cheguem a duas minhas duas maletas,
este há de ser meu estômago em que coube minha lâmpada em pedaços,
esta aquela cabeça que expiou os tormentos do círculo em meus passos,
estes esses vermes que o coração contou por unidades,
este há de ser meu corpo solidário
pelo qual vela a alma individual; este há de ser
meu umbigo onde matei meus piolhos natos,
esta minha coisa coisa, minha coisa horripilante.

No entanto, convulsiva, asperamente e
convalesce meu freio,
sofrendo como sofro da linguagem direta do leão;
e, posto que existi entre duas potestades de obstinação*,
convalesço eu mesmo, sorrindo de meus lábios.

________

NT – Percebi que, em algumas versões ao Português deste poema, o termo ladrillo foi traduzido literalmente por tijolo. Entretanto, o vocábulo tem outras acepções, em Espanhol, como coisa pessada ou aborrecida (quase equivalente a chatice em Português) ou, então, em termo regional peruano, qualidade de pessoa muito trabalhadora e estudiosa. Como não podemos saber, hoje, a exata intenção do poeta ao usar o termo, preferi, quase intuitivamente, utilizar uma idéia mais ligada a sentimentos, pois é disto que trata o poeta em seus versos.

____________________________________________________________

El entierro del poeta / Luis Rogelio Nogueras*

A Víctor Casaus

Dijo de los enterradores cosas francamente
impublicables.
Blasfemaba como un condenado
y a sus pies un par de águilas lloraban pensando
en las derrotas.
En el entierro estaba Lautréamont,
yo lo vi desde mi puesto en la cola:
dejaba el sombrero al borde de la tumba
y cantaba algo triste y oscuro
(lloraba honradamente, ya lo creo, y los
caballos devoraban higos en silencio).
Hubo discursos,
sonrisitas de Rimbaud junto a la cruz,
paraguas abiertos a la lluvia como
a él le hubiera gustado.
Hubo más:
hubo viernes y
canciones funerarias,
palomas que volaban sin sentido, como niños,
versos oscuros,
la hermosa voz de Aragón,
suicidios deportivos de Georgette y nunca más
y hasta siempre.
A la hora más triste del asunto
no quería bajar porque decía que allí estaba
oscuro.
Pero estaba muerto y hubo que bajarlo.
Los sombreros abandonaron las cabezas,
se alzaron copas, adioses, letreros de nunca te
olvidamos.
(Un joven poeta a mi derecha le mesaba las
rodillas a la muerte).
Lo bajaron.
Se aplaudió en forma delirante;
la gente corría como loca asumiendo lo grave
del momento.
Lo bajaban.
Las mujeres lloraban en silencio
porque bajaban las águilas, los sueños, países
enteros a la tierra.
Se intentó una última sentencia:
Nerval se acercó con una tiza y escribió con
letra temblorosa:
Su cadáver estaba lleno de mundo.
Desde el fondo, Vallejo sonreía sin descanso
pensando en el futuro,
mientras una piedra inmensa le tapaba el
corazón y los papeles.

________
* Poeta cubano (14.11.1944 – 06.07.1985)


O enterro do poeta

A Víctor Casaus

Disse dos coveiros coisas francamente
impublicáveis.
Blasfemava como um condenado
e a seus pés um par de águias choravam pensando nas derrotas.
No enterro estava Lautréamont,
eu o vi desde meu possto na fila:
deixava o chapéu na borda da tumba
e cantava algo triste e obscuro
(chorava honradamente, isso eu creio,
e os cavalos devoravam figos em silêncio).
Houve discursos,
risadinhas de Rimbaud junto à cruz,
guarda-chuvas abertos à chuva como ele teria gostado.
Houve mais:
houve indulgências e canções funerárias,
pombas que voavam sem sentido, como crianças,
versos obscuros,
a formosa voz de Aragón,
suicídios desportivos de Georgette
e nunca mais e até sempre.
Na hora mais triste do assunto
ele não queria baixar porque dizia que ali estava escuro.
Mas estava morto e houve que baixá-lo.
Os chapéus abandonaram as cabeças,
levantaram-se taças, adeuses, faixas de nunca te esquecemos.
(Um jovem poeta à minha direita arrancava os
joelhos da morte.)
O baixaram.
Aplaudiu-se em forma delirante;
as pessoas corriam como loucas, assumindo o grave
do momento.
O baixavam.
As mulheres choravam em silêncio
porque baixavam as águias, os sonhos, países
inteiros à terra.
Tentou-se uma última sentença:
Nerval se proximou com um giz r escreveu com
letra tremida:
Seu cadáver estava pleno de mundo.
Lá no fundo, Vallejo sorria sem descanso
pensando no futuro,
enquanto uma pedra imensa lhe tapava o
coração e os papéis.

____________________________________________________________

Masa / César Vallejo

Al fin de la batalla,
y muerto ya el combatiente, vino hacia él un hombre
y le dijo: “No mueras, te amo tanto!”
Pero el cadáver ¡ay! siguió muriendo.

Se le acercaron dos y repitiéronle:
“No nos dejes! ¡Valor! ¡Vuelve a la vida!”
Pero el cadáver ¡ay! siguió muriendo.

Acudieron a él veinte, cien, mil, quinientos mil,
clamando: “¡Tanto amor y no poder nada contra la muerte!”
Pero el cadáver ¡ay! siguió muriendo.

Le rodearon millones de individuos,
con un ruego común: “¡Quédate, hermano!”
Pero el cadáver ¡ay! siguió muriendo.

Entonces, todos los hombres de la tierra
le rodearon; les vió el cadáver triste, emocionado;
incorporóse lentamente,
abrazó al primer hombre; echóse a andar…

Massa

Ao fim da batalha,
e morto já o combatente, veio até ele um homem
e lhe disso: “Não morras, amo-te tanto!”
Mas o cadáver, ai, seguiu morrendo.

Acercaram-se-lhe dois e repetiram:
“Não nos deixeis! Ânimo! Volta à vida!”
Mas o cadáver, ai, seguiu morrendo.

Acorreram a ele vinte, cem, mil, quinhentos mil,
clamando: “Tanto amor e não poder nada contra a morte!”
Mas o cadáver, ai, seguiu morrendo.

Rodearam-lhe milhões de indivíduos,
com um rogo comum: “Fica, irmão!”
Mas o cadáver, ai, seguiu morrendo.

Então, todos os homens da terra
o rodearam; viram o cadáver triste, emocionado;
incorporou-se lentamente,
abraçou o primeiro homem; pôs-se a andar…

_____________

Versão em Português: Cleto de Assis

5 Respostas para “Vida, Paixão e Morte de César Vallejo

  1. Manoel de Andrade

    Quando cheguei no Peru, no início de 1970, foi Mariátegui que me apresentou Vallejo na Biblioteca Nacional de Lima. Nos SETE ENSAIOS DE INTERPRETAÇÃO DA REALIDADE PERUANA – livro que foi e continua sendo a chave para entender a realidade latino-americana – encontrei no lúcido pensamento de Mariátegui, o mais credibilizado avalista para a poesia de Vallejo. Tanto um como outro romperam com as estruturas de pensamento do seu tempo. Mariátegui reinterpretou, dialeticamente os grandes problemas – sobretudo o indígena – dos países latino-americanos e Vallejo rompeu, literariamente, com a elite cultural do Peru. Tradição e vanguarda, a cidade real e a imaginária, o desencanto de Paris e o deslumbramento de Moscou, a arte e a consciência política, a plenitude da arte revolucionária na teoria e na prática, na beleza da arte no engajamento. Vallejo e Neruda foram os precursores de tantos poetas do continente que entenderam a arte e a poesia como um compromisso com a história e plenamente identificadas com os problemas de seu tempo, marcadas pelo sonho da justiça e pela imperecível crença numa utopia.
    É lamentável que tanto Cesar Vallejo como José Carlos Mariátegui sejam praticamente desconhecidos no Brasil. Parabéns, Cleto por tua incansável garimpagem. Eu sei que há muitas outras raras pepitas na tua bateia.

  2. Fantastico

  3. Comentario sucinto, mas não tem muito o que escrver; Vallejo é singular, único e genial.

  4. Enrique Tinoco

    Acredito que a tradução certa seja:

    Então, todos os homens da terra
    o rodearam; viu-os o cadáver triste, emocionado;
    incorporou-se lentamente,
    abraçou o primeiro homem; pôs-se a andar…

    Cordialmente,
    Enrique

  5. Nas minhas quatro viagens ao Perú , me hospedei na residência do Sr. Carlos Vallejo , sobrinho neto, do maior poeta peruano. Pouco se fala sobre César Vallejo aqui no Brasil , mas em Lima e em todo Perú , ele é tão conhecido como Carlos Drummond de Andrade , aqui para nós. Ruas , praças , escolas , avenidas , em todo lugar se vê o nome de César Vallejo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s