Povo que canta é povo feliz

O povo é, no fundo, a origem de todas as coisas belas e nobres, inclusive da boa música! […] Tenho uma grande fé nas crianças. Acho que delas tudo se pode esperar. Por isso é tão essencial educá-las. É preciso dar-lhes uma educação primária de senso ético, como iniciação para uma futura vida artística. […] A minha receita é o canto orfeônico. Mas o meu
canto orfeônico deveria, na realidade, chamar-se educação social pela música. Um povo que sabe cantar está a um passo da felicidade; é preciso ensinar o mundo inteiro a cantar.

Heitor VILLA-LOBOS

Há exatos 50 anos morria, no Rio de Janeiro – cidade onde nasceu, a 5 de março de 1887 – o maestro e compositor Heitor Villa-Lobos. Considerado o maior expoente da música do Modernismo no Brasil, destacou-se por ter sido o principal responsável pela descoberta de uma linguagem misical peculiarmente brasileira, compondo obras que enaltecem o espírito nacionalista, com a incorporaçao de elementos das canções folclóricas, populares e indígenas.

Biografia

Filho de Noêmia Monteiro Villa-Lobos e Raul Villa-Lobos, foi desde cedo incentivado aos estudos, pois sua mãe queria vê-lo médico. No entanto, seu pai, funcionário da Biblioteca Nacional e músico amador, deu-lhe instrução musical e adaptou uma viola para que o pequeno Heitor iniciasse seus estudos de violoncelo. Aos 12 anos, órfão de pai, Villa-Lobos passou a tocar violoncelo em teatros, cafés e bailes. Paralelamente, interessou-se pela intensa musicalidade dos “chorões”, representantes da melhor música popular do Rio de Janeiro, e, neste contexto, desenvolveu-se também no violão. De temperamento inquieto, aos 18 anos sai de casa e passa a percorrer o interior do Brasil, em suas primeiras etapas de um processo de absorção de todo o universo musical brasileiro. Em 1913, Villa-Lobos casou-se com a pianista Lucília Guimarães e fixou-se no Rio de Janeiro. Em 1915 realiza o primeiro concerto com obras de sua autoria.

Em 1922, Villa-Lobos participa da Semana da Arte Moderna, no Teatro Municipal de São Paulo. No ano seguinte embarca para Europa, regressando ao Brasil em 1930, quando realiza turnê por sessenta e seis cidades. Realiza também, nesse ano, a “Cruzada do Canto Orfeônico“, no Rio de Janeiro. Seu casamento com Lucília termina na década de 1930 . Depois de operar-se de câncerm em 1948, casa-se com Arminda Neves d’Almeida, a Mindinha, uma ex-aluna que, depois de sua morte, se encarrega da divulgação de uma obra monumental. O impacto internacional dessa obra fez-se sentir especialmente na França e EUA, como se verifica pelo editorial que o The New York Times dedicou-lhe no dia seguinte a sua morte. Villa-Lobos nunca teve filhos.

Obra

As primeiras composições de Villa-Lobos trazem a marca dos estilos europeus da virada do século XIX para o século XX, sendo influenciado principalmente por Wagner, Puccini, pelo alto romantismo francês da escola de Frank e logo depois pelos impressionistas. Teve aulas com Frederico Nascimento e Francisco Braga.

Nas Danças características africanas (1914), entretanto, começou a repudiar os moldes europeus e a descobrir uma linguagem própria, que viria a se firmar nos bailados Amazonas e Uirapuru (1917). O compositor chega à década de 1920 perfeitamente senhor de seus recursos artísticos, revelados em obras como a Prole do Bebê, para piano, ou o Noneto (1923). Violentamente atacado pela crítica especializada da época, viajou para a Europa, em 1923, com o apoio do mecenas Carlos Guinle e, em Paris, tomou contato com toda a vanguarda musical da época. Depois de uma segunda permanência na capital francesa (1927-1930), voltou ao Brasil a tempo de engajar-se nas novas realidades produzidas pela Revolução de 1930.

Apoiado pelo Estado Novo, Villa-Lobos desenvolveu amplo projeto educacional, em que teve papel de destaque o canto orfeônico, e que resultou na compilação do Guia prático (temas populares harmonizados).
À audácia criativa dos anos 1920 (que produziram as Serestas, os Choros, os Estudos para violão e as Cirandas para piano) seguiu-se um período “neobarroco”, cujo carro-chefe foi a série de nove Bachianas brasileiras (1930-1945), para diversas formações instrumentais. Em sua obra prolífera, o maestro combinou indiferentemente todos os estilos e todos os gêneros, introduzindo sem hesitação materiais musicais tipicamente brasileiros em formas tomadas de empréstimo à música erudita ocidental. Procedimento que o levou a aproximar, numa mesma obra, Johann Sebastian Bach e os instrumentos mais exóticos. (Ref.: Wikipédia)

Em homenagem à nossa maior expressão musical, postamos alguns videos emprestados do Youtube. O primeiro, o Choro N° 1, composto em 1920 para violão solo, é executado pelo exímio violonista brasileiro Turibio Soares Santos (arquivo Raíssa Amaral & Sergio Napoleão).

No segundo video, Eduardo Lopes conduz a Orquestra Nacional de Lyon (França), que executa o Prelúdio da Bachiana Brasileira n° 4.

E, finalmente, o famoso Trenzinho Caipira (ou Trenzinho do Caipira), parte integrante das Bachianas Brasileiras nº 2, que se caracteriza por imitar o movimento de uma locomotiva com os instrumentos da orquestra. No video, a música é interpretada pelo conmjunto Boca Livre, em gravação de 2007. Mas a homenagem não acaba por aqui. Como estamos em um blog de poesia, transcrevemos a letra do Trenzinho Caipira, criada pelo poeta Ferreira Gullar.

Choro n°. 1, executado por Turíbio Santos


Prelúdio da Bachiana Brasileira n° 4 – Orquestra Nacional de Lyon, conduzida por Eduardo Lopes

Trenzinho Caipira – Conjunto Boca Livre

________________________

Trenzinho caipira

Letra de Ferreira Gullar

á vai o trem com o menino
Lá vai a vida a rodar
Lá vai ciranda e destino
Cidade e noite a girar

Lá vai o trem sem destino
Pro dia novo encontrar
Correndo vai pela terra
Vai pela serra, vai pelo mar

Cantando pela serra ao luar
Correndo entre as estrelas a voar
Luar, no ar, no ar, no ar

O povo é, no fundo, a origem de todas as coisas belas e nobres, inclusive

da boa música! […] Tenho uma grande fé nas crianças. Acho que delas

tudo se pode esperar. Por isso é tão essencial educá-las. É preciso dar-lhes

uma educação primária de senso ético, como iniciação para uma

futura vida artística. […] A minha receita é o canto orfeônico. Mas o meu

canto orfeônico deveria, na realidade, chamar-se educação social pela

música. Um povo que sabe cantar está a um passo da felicidade; é preciso

ensinar o mundo inteiro a cantar.

HeitorVILLA-LOBOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s