Paraná na final do Prêmio Jabuti de Poesia

PremioJabutiFoi divulgada a relação dos finalistas do Prêmio Jabuti 2009, concedido pela Câmara Brasileira do Livro. Os vencedores serão conhecidos apenas em setembro. Mas chegar à final já é consagração. Os três vencedores de cada categoria serão anunciados no dia 29 de setembro, exceto os ganhadores das categorias Livro do Ano Ficção e Livro do Ano Não-Ficção, que serão revelados na cerimônia de premiação, no dia 4 de novembro, na Sala São Paulo.

O Paraná está honrosamente representado por Alice Ruiz, que concorre com seu livro Dois em Um, editado pela Iluminuras. Se ela vencer, será o seu segundo Jabuti, pois já foi premiada em 1989, com seu livro Vice Versos.

São estes os livros finalistas do Jabuti 2009:

Dois em Um (Iluminuras), Alice Ruiz (Paraná)
Chocolate Amargo (Brasiliense), Renata Pallotini (São Paulo)
Antigos e Soltos: Poemas e Prosas da Pasta Rosa (Instituto Moreira Salles), Instituto Moreira Salles (Rio de Janeiro)
Cinemateca (Schwarcz), de Eucanaã Ferraz (Rio de Janeiro)
A Letra da Ley (Annablume), Glauco Mattoso (São Paulo)
Homem Ao Termo – Poesia Reunida [1949-2005] (Editora UFMG),  Affonso Ávila (Minas Gerais)
Outros Barulhos (Reynaldo Bessa), Reynaldo Bessa (Rio Grande do Norte)
Geometria da Paixão (Anome Livros), Dagmar de Oliveira Braga (Minas Gerais)
Os Corpos e Os Dias (Editora de Cultura), Laura Erber (Rio de Janeiro)
Ferreira Gullar: Poesia Completa, Teatro e Prosa (Nova Fronteira), Ferreira Gullar (Maranhão)
Réquiem (Contra Capa), Lêdo Ivo (Alagoas)
Uma Hora Por Dia (7letras), Maria Helena Azevedo (Rio de Janeiro)

Dois em Um
Alice Ruiz nasceu em Curitiba, PR, em 22 de janeiro de 1946. Começou a escrever contos com 9 anos de idade, e versos aos 16. Foi “poeta de gaveta” até os 26 anos, quando publicou, em revistas e jornais culturais, alguns
poemas. Mas só lançou seu primeiro livro aos 34 anos.

Aos 22 anos casou com Paulo Leminski e, pela primeira vez, mostrou a alguém o que escrevia. Surpreso, Leminski comentou que ela escrevia haikais, termo que até então Alice não conhecia. Mas encantou-se com a forma poética japonesa, passando então estudar com profundidade o haikai e seus poetas, tendo traduzido quatro livros de autores e autoras japonesas, nos anos 1980.

Teve três filhos com o poeta: Miguel Ângelo Leminski, Áurea Alice Leminski e Estrela Ruiz Leminski. Estrela também é uma grande poeta: acabou de lançar um livro, junto com o Yuuka de Alice: Cupido: Cuspido e Escarrado (pela Editora AMEOP, de Porto Alegre) – provando que, filha de duas feras, essa Estrela tem luz própria.

Alice publicou, até agora, 15 livros, entre poesia, traduções e uma história infantil, que você pode conhecer clicando em Bibliografia [no site da autora].

Compõe letras desde os 26 anos – a primeira parceria foi uma brincadeira com Leminski, que se chamou “Nóis Fumo” e só foi gravada em 2004, por Mário Gallera. A poeta tem mais de 50 músicas gravadas por parceiros e intérpretes. Está lançando, em 2005, seu primeiro CD, o Paralelas, em parceria com Alzira Espíndola, pela Duncan Discos, com as participações especialíssimas de Zélia Duncan e Arnaldo Antunes. Para conhecer
essas gravações e os parceiros da poeta, dê uma olhadinha em Discografia [também no site da autora].

Antes da publicação de seu primeiro livro, Navalhanaliga, em dezembro de 1980, já havia escrito textos feministas, no início dos anos 1970 e editado algumas revistas, além de textos publicitários e roteiros de histórias em quadrinhos.

Alguns de seus primeiros poemas foram publicados somente em 1984, quando lançou Pelos Pêlos pela Brasiliense. Já ganhou vários prêmios, incluindo o Jabuti de Poesia, de 1989, pelo livro Vice Versos.

Já participou do projeto Arte Postal, pela Arte Pau Brasil; da Exposição Transcriar – Poemas em Vídeo Texto, no III Encontro de Semiótica, em 1985, SP; do Poesia em Out-Door, Arte na Rua II, SP, em 1984; Poesia em
Out-Door, 100 anos da Av. Paulista, em 1991; da XVII Bienal, arte em Vídeo Texto e também integrou o júri de oito encontros nacionais de haikai, em São Paulo.

As aulas de haikai são uma experiência única para quem já fez – Alice convence a gente que no fundo de cada um existe um poeta louco pra despertar, e descobrimos surpresos que sim, é possível!

Quer saber mais sobre Alice Ruiz? Então passeie pelas páginas do [seu] site – e depois não se esqueça de escrever pra ela, contando o que você descobriu aqui! Carô Murgel – Historiadora (s.d.)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s