Miniconto

Lex Mirtaceae

xxxxxxxxxCleto de Assis

Gabiromar

Tal qual o sábio inglês, ele repousava em baixo de uma árvore. Não uma vetusta macieira britânica, mas uma guabirobeira selvagem, que, provavelmente plantada por Deus ou um de seus jardineiros, há muito estava ali, a alimentar passarinhos, serelepes e meninos aventureiros.

Sem se importar com as leis da mecânica universal, seu pensamento gravitava em torno de memórias guardadas lá no fundo da cachola. De repente, um fruto caiu do galho mais alto e esborrachou-se em seu nariz.

O susto sempre faz a gente pensar em coisa maior. Ele imediatamente desviou sua cabeça para o lado, com medo de que mais petardos caíssem sobre ele. Cumpria a primeira parte da terceira lei de Newton: actioni contrariam semper et aequalem esse reactionem. Mas nada mais trágico aconteceu.

Passou a mão em seu rosto e sentiu a massa fria e amarelada, que seria tomada como imp(r)udência de ave voadora não fosse o odor penetrante e inigualável do fruto maduro. Ao susto sobreveio a paz. Cheiro de infância. Gosto de meninice.

Fechou os olhos, sem limpar a face lambuzada e aspirou fortemente. Ah, a viagem movida a guabiroba… O sorriso dos olhos de Marisa a passar-lhe, um a um, os pequenos globos mirtáceos. Depois, as mãos de Marisa, a ternura de Marisa e o perfume suave de Marisa.  Ele pensou que se um perfumista afamado capturasse da fruta o aroma, teria que gravar no frasco o nome insubstituível: Marisa. Do mar das saudades. Do mar a brisa.

Estava criada a Lei da Afetividade.

__________

Ilustração: C. de A.

4 Respostas para “Miniconto

  1. Que lindo! Adorei, lembrei-me da minha doce infância.

    http://www.muitomelhorqueatuaex.wordpress.com

  2. Um pequeno conto para ler e pensar… Conseguir encontrar
    romantismo num fruto maduro que cai e se esborracha em nosso rosto é difícil… Relacionar esse acidente com a mulher amada, mais difícil ainda… Mas o verdadeiro romântico é tudo isso. E consegue impregnar cada linha com o doce perfume da sua Marisa que lhe inspira mil e uma recordações duma tal suavidade que o faz recuar à infância…
    Linda a idéia…Linda a forma como tudo foi posto no papel…

  3. Lindo o seu conto, Cleto!! Lindo!!! mas a minha guabirobeira, o meu pé de laranja lima são dois: tamarindeiro e flamboyant… árvores queridas tão presentes no meu amado bairro Grajaú, no Rio de Janeiro. 🙂

    essa coisa do cheiro me lembrou do livro “o perfume”. claro, no quesito capturar fragrâncias. e o engraçado é que, mesmo industrializado o cheiro nos leva longe. tenho a recordação de uma colônia que não faço a menor idéia de quem usava, mas quando sinto alguém com ela na rua me dá uma vontade louca de perguntar o nome dela para a pessoa.

    lindo o seu miniconto, Cleto!! e tem cheiro de terra molhada. depois da chuva. uma delícia!!

    abraço,
    Deborah

  4. artur alonso

    me caro amigo… lindíssimo conto… muito bom
    artur alonso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s