Pablo Neruda crepuscular

Aquí estoy con mi pobre cuerpo frente al crepúsculo
que entinta de oros rojos el cielo de la tarde:
mientras entre la niebla los árboles oscuros
se libertan y salen a danzar por las calles.

Yo no sé por qué estoy aquí, ni cuándo vine,
ni por qué la luz roja del sol lo llena todo;
me basta con sentir frente a mi cuerpo triste
la inmensidad de un cielo de luz teñido de oro.

la inmensa rojedad de un sol que ya no existe,
el inmenso cadáver de una tierra ya muerta,
y frente a las astrales luminarias que tiñen el cielo,
la inmensidad de mi alma bajo la tarde inmensa.

PabloNerudaCrepuscular

Aqui estou com meu pobre corpo frente ao crepúsculo
que entinta de ouros vermelhos o céu da tarde:
enquanto entre a névoa as árvores escuras
se libertam e saem a dançar pelas ruas.

Eu não sei por que estou aqui, nem quando vim,
nem por que a luz vermelha do sol preenche tudo;
basta-me sentir frente a meu corpo triste
a imensidão de um céu de luz tingido de ouro,

a imensa vermelhidão de um sol que não mais existe,
o imenso cadáver de uma terra já morta,
e frente às astrais luminárias que tingem o céu,
a imensidão de minha alma sob a tarde imensa.

xxxxxxxxxxxxxVersão ao Português e ilustração: C. de A.

Uma resposta para “Pablo Neruda crepuscular

  1. Arrazoou, amei muito bom, perfeita. f

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s