Encontros com Miguel Torga

JCDefreitas-2A propósito do post sobre Miguel Torga (abaixo), o sociólogo e professor João Correia de Freitas enviou uma crônica sobre o poeta, a quem conheceu quando fazia pós-graduação em Portugal. Como diriam os obaobistas da imprensa, esta é uma exclusiva do Banco da Poesia. Somos gratos, professor Defreitas.

xxxxxxxxxxxxxx

O Poesta não morre

xxxxxVi Miguel Torga duas vezes.  A primeira em sua casa, em Coimbra, em 1966, quando eu lá estudava, com um grupo de brasileiros. Era uma figura interessante. Torga02Homem de grande porte, rosto rude, com profundos vincos, um nariz enorme que lhe saltava do rosto. Parecia sofrido e machucado pelo tempo. Sua voz pausada e grave lhe saía da boca com muita propriedade. Tinha ele seus 56 anos, com um aspecto mais de agricultor ou de lenhador trasmontano do que de um médico e muito menos de um poeta. Em sua sala, despojada, com móveis de madeira escura, sólidos e sóbrios, nos fez adentrar e sentar. Olhava-nos fixamente com seus olhos fundos, por trás de sobrancelhas espessas.

xxxxxNão sabíamos bem por que o visitávamos. Talvez mais por curiosidade do que por conhecimento de sua obra. Ele parecia sem muita paciência e mostrava-se pouco amistoso, ou melhor, cerimonioso e um pouco distante. Entretanto, depois de servir-nos um porto, perguntar-nos de que lugar do Brasil éramos e o que fazíamos em Coimbra,  aquele homem com cara rude começou a se transfigurar, ao lembrar-se de sua vida de cinco anos no Brasil e de seu reencontro com o país, já poeta.

xxxxxFazia muito frio, naquele dia. Nunca houvera um frio tão intenso em Coimbra como nesse novembro, dizia ele. Se não me engano, até nevou naquele ano. Lembro-me bem que tive a curiosidade de perguntar-lhe de onde viria o nome de “anta”, pois ele havia nascido em  São Martinho de Anta, Trás-os-Montes, terra também de Aquilino Ribeiro. Sabia eu que São Martinho era famoso em Portugal, pois a 11 de novembro, dedicado a ele, era corrente o dito português: “Dia de São Martinho, mata o teu porco e abre o teu vinho”. Explicou-nos Torga que , realmente, novembro era época do “água pé”, vinho fraco e o primeiro a ser aberto; que  Lamego era terra de bom vinho; que a base da alimentação beirôa, onde agora vivia, era de carne de porco, haja vista a Bairrada, próxima dalí, ser a terra dos leitões. Explicou, também, que “anta” era um nome que designaria um grande monte de terra que servia, antigamente, para demarcar a divisa de territórios. Enfim, foi uma conversa muito descontraída e interessante, onde falou-se de tudo, inclusive de poesia, é claro.

xxxxxA segunda e última vez em que ví Miguel Torga, não falamos, não conversamos. Eu e um amigo haviamos saído de uma tasca, numa tarde cinzenta, onde fomos beber um cálice de “aguardente de medronho”, fortíssima, para espantar o frio. Ao longe, numa ponte sobre o Rio Mondego, de onde se via a Igreja de Santa Cara, avistamos o vulto de um homem, que aparentava ser de porte bem alto. Olhava fixamente as águas do Mondego, que passavam calmas por debaixo da ponte, e que fôra motivo de tantos fados imorredouros de Coimbra. Depois, mais de perto, reparamos tratar-se de Torga, com seu pesado capote de frio, com as golas viradas para cima, que a passos pausados afastava-se daquele local. Ficamos ali por uns minutos e notamos que peixes nadavam em baixo da ponte. Pensamos que o rio estava sem poluição, embora hoje, talvez, não se possa dizer o mesmo.

xxxxxFoi assim que conheci Miguel Torga, um grande poeta que tudo tem a ver com Coimbra, com as capas pretas e batinas, com as tricanas de Bernardim, com a Sé, ao pé da qual muitos fados-de-Coimbra escutamos; da Queima das Fitas e do fumo  subindo aos céus. Enfim, hoje leio as obras de Torga e deleito-me com o livro Traço de União, onde ele declara seu profundo amor pelo Brasil.  Em 1995, li a noticia da morte de Miguel Torga. Tenho certeza que Torga vive em suas poesias e tenho certeza , agora mais do que nunca, de que os Poetas não morrem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s