Mais outonos franceses

Assim como Charles Baudelaire, Paul Verlaine foi considerado um poeta maldito. Poeta francês (1884-1896) de biografia considerada “atribulada e escandalosa”, Verlaine nasceu em Metz e fez seus estudos secundários em Paris. Depois, foi funcionário da prefeitura de Paris, mas, com,o quase todos os intelectuais franceses da época, frequentava os cafés boêmios da Cidade Luz. Sua vida de funcionário público não foi nada exemplar, mas a a paixão pela poesia começava a crescer em oposição à falta de assiduidade ao trabalho.

Descobri na rede um excelente texto do escritor e poeta goiano Gilberto Mendonça Teles, reperoduzido abaixo, a propósito da Arte Poética de Verlaine. Na realidade, esse é o título de um poema de Verlaine – Art Poétiquededicado a seu amigo Charles Morice. O poema também vai publicado e o texto de Gilberto Mendonça Teles lhe serve como apresentação. C. de A.

A Arte Poética de Verlaine

gilbertomendoncatelesPaul Verlaine (1844-1896) estreou com sete poemas no primeiro número do Parnasse Contemporain (1866), coleção que inaugurou o parnasianimo. No mesmo ano publicou seu primeiro livro, Poèmes saturniens, em que, apesar da acentuada influência de Baudelaire, a
começar pelo título do livro, já se pressentiam alguns traços que, posteriormente desenvolvidos, iriam contribuir para a definição do simbolismo. Pois é na direção do simbolismo que se vai produzir a melhor poesia de Verlaine, como a de Fêtes galantes (1869), Romances sans paroles (1874), Sagesse (1881) e Jadis et Naguère (1884).

A década 1870-80 foi de grande importância para a definição de sua poesia. Ao lado da crescente ascendência de Baudelaire, considerado mestre pela nova geração, houve o aparecimento de Rimbaud. Ainda que a glória de Rimbaud só apareça a partir de 1855, é inegável que ele teve decisiva influência na poesia de Verlaine. Foi durante o ano de prisão em Bruxelas que Verlaine conseguiu imprimir novos rumos espirituais e estéticos à sua produção poética, procurando uma linguagem que não ficou apenas na poesia, chegando também a manifestar-se criticamente em metalinguagem, como no poema Art poétique, escrito em 1874 e só publicado dez anos depois em Jadis et Naguère, título aliás bastante sugestivo para a nova dimensão estética que seu livro iria auxiliar a construir.

Parece que a gênese da Art poètique foi, além da reviravolta espiritual de Verlaine, o artigo que Brémont escreveu sobre o Romances sans paroles, editado quando o poeta cumpria a sua pena em Bruxelas. O referido artigo, severo mas atencioso, intitulava-se C’est encore la musique (É ainda sobre música), frase que teria motivado o verso inicial do poema de Verlaine (“De la musique avant toute chose”), o qual se repete, ligeiramente modificado, no início da penúltima estrofe (“De la musique encore et toutjours!”). Na verdade, a Art poétique, antes da edição em livro foi publicada pela primeira vez em novembro de 1882, no Paris-moderne. Recebeu dura crítica de Charles Morice, o que valeu a resposta de Verlaine que se defendia da acusação de hermetismo e de menosprezo à rima, numa polêmica que serviu para tornar conhecido o nome do poeta, cujas Fêtes galantes haviam passado despercebidas do público, entusiasmado na época com o sucesso de um livro de François Coppée. Logo depois o poeta passa a colaborar na revista onde havia saído a crítica (La nouvelle rive gauche), tornando-se amigo de Morice e, em agradecimento talvez pela agitação agora em torno do seu nome, dedica-lhe a Art poétique ao publicá-la em livro dois anos depois.

Na opinião de Verlaine, num artigo de 1890, a sua Art poétique deveria ser vista apenas como uma canção . Não se sabe se o poeta estava sendo irônico, tal como o nosso Carlos Drummond de Andrade quando disse que o seu poema No meio do caminho era apenas uma repetição de vocábulos. Sabe-se que dentro do espírito da época, a palavra canção possuía sua conotação musical inteiramente de acordo com as tendências expressionistas que se queriam implantar. Daí porque o seu poema foi o ponto de partida da funda aventura simbolista. Superando os padrões parnasianos e desenvolvendo o legado inventivo de Rimbaud, seu texto passou imediatamente a ser estudado e assimilado por jovens poetas, repartidos nessa altura entre Verlaine e Mallarmé, mas todos dentro do pessimismo decadentista que já começava a se definir na direção do simbolismo.

Gilberto Mendonça Teles (foto acima), goiano, é escritor, poeta e professor de Lingua Portuguesa

Arte poética

A Charles Morice
verlainepoureugenecarriere



xxxxxxx


xxxxxxxxx


xxxxxxxxxx


xxxxxxxxxx



xxxxxxxxx

Antes de qualquer coisa, música
e, para isso, prefere o Ímpar
mais vago e mais solúvel no ar,
sem nada que pese ou que pouse.
E preciso também que não vás nunca
escolher tuas palavras em ambigüidade:
nada mais caro que a canção cinzenta
onde o Indeciso se junta ao Preciso.
São belos olhos atrás dos véus,
é o grande dia trêmulo de meio-dia,
é, através do céu morno de outono,
o azul desordenado das claras estrelas!
Porque nós ainda queremos o Matiz,
nada de Cor, nada a não ser o matiz!
Oh! O matiz único que liga
o sonho ao sonho e a flauta à trompa.
Foge para longe da Piada assassina,
do Espírito cruel e do Riso impuro
que fazem chorar os olhos do Azul
e todo esse alho de baixa cozinha!
Toma a eloqüência e torce-lhe o pescoço!
Tu farás bem, já que começaste,
em tornar a rima um pouco razoável.
Se não a vigiarmos, até onde ela irá?
Oh! Quem dirá os malefícios da Rima?
Que criança surda ou que negro louco
nos forjou esta jóia barata
que soa oca e falsa sob a lima?
Ainda e sempre, música!
Que teu verso seja um bom acontecimento
esparso no vento crispado da manhã
que vai florindo a hortelã e o timo…
E tudo o mais é só literatura.

Tradução de Carlindo Lellis
Ilustração: Portrait de Paul Verlaine, de Eugène Carrière, 1891
Óleo sobre tela, Museu Orsay, Paris

E agora, A Canção de Outono de Verlaine

autumn_in_bavariab

Les sanglots longs
Des violons
De l’automne
Blessent mon coeur
D’une langueur
Monotone.

Tout suffocant
Et blême, quand
Sonne l’heure,
Je me souviens
Des jours anciens
Et je pleure.

Et je m’en vais
Au vent mauvais
Qui m’emporte
Deçà, delà,
Pareil à la
Feuille morte.

Canção do Outono

Os soluços graves
dos violinos suaves
do outono
ferem a minh’alma
num langor de calma
e sono.

Sufocado em ânsia,
Ai! quando à distância
soa a hora,
meu peito magoado
relembra o passado
e chora.

Daqui, dali,
pelo vento em atropelo
seguido,
vou de porta em porta
como a folha morta,
batido…

Tradução de Alphonsus de Guimaraens
Ilustração: Autumn in BavariaWassily Kandinski – 1908
Óleo sobre papelão – 33x45cm – Centro Georges Pompidou, Paris

E como foi a vida atribulada e escandalosa de Verlaine, que registrou “a contradição entre uma conduta deplorável e um ideal poético quase primitivo de pureza e misticismo”?

Paul Verlaine (1844-1896) . Poeta francês. Simbolista, seu lirismo musical abriu novos caminhos para a poesia na França. O lirismo musical e evanescente de Verlaine exerceu influência decisiva no desenvolvimento do simbolismo e abriu novos caminhos para a poesia francesa. Com Mallarmé e Baudelaire, Verlaine compõe o grupo dos chamados poetas decadentes.

Paul-Marie Verlaine nasceu em Metz, França, em 30 de março de 1844. Filho de um militar abastado, estudou no Liceu Bonaparte – hoje Condorcet – de Paris e, mais tarde, conciliou o trabalho numa companhia de seguros com a vida boêmia nos círculos literários parisienses. Em
seus primeiros livros, Poèmes saturniens (1866; Poemas saturninos) e Fêtes galantes (1869; Festas galantes), ouvem-se ecos do romantismo e do parnasianismo.

800px-henri_fantin-latour_005

Em 1872, dois anos após casar-se, Verlaine abandonou mulher e filho e iniciou, com o jovem poeta francês Arthur Rimbaud, uma turbulenta ligação sentimental que os levou a percorrer vários países europeus. O relacionamento teve um final abrupto em Bruxelas, em 10 de julho de 1873, quando Verlaine feriu o amigo com um tiro de revólver e foi condenado a dois anos de prisão. Libertado, Verlaine tentou em vão reconciliar-se com Rimbaud. Viveu no Reino Unido até 1877, quando regressou à França. Datam desses anos dois magníficos livros de poesia, Romances sans paroles (1874; Romances sem palavras) e Sagesse (1880; Sabedoria), este a expressão de sua volta aos ideais de um cristianismo simples e humilde.

Apesar de sua crescente fama e de ser considerado um mestre pelos jovens simbolistas, o fracasso dos esforços que fez para recuperar a esposa e levar uma vida retirada conduziram Verlaine a uma recaída no mundo da boêmia e do alcoolismo que, durante o resto de seus dias, o obrigou a frequentes hospitalizações.

Os vários livros de poemas que se seguiram apenas ocasionalmente recuperaram a antiga magia, como Amour (1888). Da produção posterior de Verlaine, o que mais se destaca são os textos em prosa, como o ensaio Les Poètes maudits (1884; Os poetas malditos), vital para o reconhecimento público de Rimbaud, Mallarmé e outros autores, e as atormentadas obras autobiográficas Mes hôpitaux (1892; Meus hospitais) e Mes prisons (1893; Minhas prisões). Paul Verlaine morreu em Paris, em 8 de janeiro de 1896.

Texto extraído da Encyclopaedia Britannica.
Ilustração: Um canto de mesa, por Henri Fantin-Latour (1836-1904), pintado  em 1872. Em primeiro plano, sentados, Verlaine e Rimbaud (da esquerda para a direita).

____________________

Nota

A expressão poetas malditos foi cunhada por Alfred de Vigny, que a utilizou em 1832 na sua peça dramática Stello, onde se refere aos poetas como “la race toujours maudite par les puissants de la terre” (a raça para sempre maldita para os poderosos da terra). Charles Baudelaire, Paul Verlaine, Arthur Rimbaud e Lautréamont  são considerados exemplos típicos. Mas foi o poeta François Villon (1431-c. 1474) o primeiro a ser cognominado como poeta maldito por seus contemporâneos. (Fonte: Wikipedia)

2 Respostas para “Mais outonos franceses

  1. Réminiscence d’une fable existentialiste
    Se leio o absurdo da voz que me devora
    Se saio aos rodopios praguejando meus pares
    Jogo-me no cancro ferrugem em feridas em brasa
    Se olho o tempo voltando do nada
    Despedaçando meu destino confinado
    Calado nervoso me disperso
    E na escuridão do abismo me choco
    Impassível às avessas abestalhado cansado insípido
    E no nada me refaço já que a ruína já foi um palácio
    Nenhuma gravidade nos fatos
    Cotidiano suspenso no espaço
    Mas tudo fica sólido onde passo
    Com pés pesados atados às ervas malditas
    Soslaio mirando o funil das larvas trementes
    Maltrapilho indigente deslizado presente
    Aos zincos perambulo na noite infame
    Mandrágoras sussurram meu nome
    Turbinado clarão de espasmo movediço
    Marejado sofrer eterno cambalear na beirada do caos
    Cripta da saudade degela as epidermes necrosadas da alma
    Decrepitudes bestiais inflamam as galeras no arraial
    Silêncio agora lá no ermo do espaço
    Desdobrado decadente esticado no varal das miríades
    Esse trunfo salutar e também atado em chaga enferma
    Prostrado arcado e desfolhado a míngua nas paineiras
    Vertiginoso destino arremessa-me á tambores tachibanas
    Aos gritos abissais emergido as crateras do acaso
    Ass: Λάδι Βιώσας

  2. Pingback: Sensações outonais | Banco da Poesia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s