Céus e Infernos de Curitiba, por Dante

Dante Mendonça lançou ontem (28/03/2009) seu livro Curitiba – Melhores defeitos, piores qualidades, com o selo da Bernúncia Editora, de Florianópolis. O cenário escolhido foi o restaurante do Passeio Público, que já foi ponto de encontro de artistas, jornalista e políticos, quando era “Lá no Pasquale”. Muita gente prestigiando o evento, acompanhado também pelo editor Vinicius Alves e sua esposa Teresa, além de Maí Nascimento Mendonça, identificada no livro como “companheira de vida, revisora nas dúvidas e coautora nas certezas”.
lanclivro

Dante Mendonça e seu editor Vinicius Alves, com Cleto de Assis (à esquerda) como papagaio de pirata

O humor fino de Dante, que nasceu na charge e caminha também perfeitamente na crônica de costumes da cidade que adotou há 39 anos, torna ainda mais atraentes as qualidades de Curitiba e até mesmo possíveis defeitos que são apenas aspectos curiosos de uma cidade com muita personalidade. Mas não há uma Curitiba maniqueista, dividida entre o céu e inferno. Até porque o tema já foi esgotado por outro Dante, o italiano, que não possuia o humor sutil do Dante curitibano. Curitiba é uma cidade única, com qualidade de vida invejável e, mesmo quando seu céu anuncia chuva e frio, há bons motivos para o curitibano se orgulhar de sua terra. Dante conta muitos desses motivos em saborosas crônicas selecionadas entre as publicadas nos últimos oito anos nos jornais O Estado do Paraná e Tribuna do Paraná.

Mas ele recolheu jóias de outros escritores e artistas. As capas interiores do livro sãoi ilustradas com o mapa afetivo de Curitiba elaborado por Poty Lazzarotto, outro curitibano ilustre. Reproduz desenhos de colegas – como Solda e Tiago Recchia. Dante ganhou também orelha especial lavrada por Jaime Lerner, que diz ser o livro “leitura obrigatória para curitibanos e não curitibanos”. Transcrevo, abaixo, o aval de Lerner. Na tarde de sábado, li quase todo o livro, revendo lugares, personagens e, sobretudo, as idiossincrasias da urbe curitibana, habitada primitivamente por índios Tingui (que perderam o trema, mas conservam o hiato), todos comedores de pinhão, e desde o Séc. XVII povoada por brasileiros e estrangeiros de todos os jeitos e cores (tem até loiros de olhos azuis, presidente Lula!) que continuam comendo pinhão e vivem uma fantástica sinfonia racial. Muita gente já falou e escreveu sobre Curitiba. Mas Dante Mendonça dá a sua cidade adotiva, que hoje completa 316 invernos, o cartão de visitas que lhe faltava. Com muita graça. c. de a.

CUQUE COM ROLLMOPS

Jaime Lerner

Afinal, que é este Catarina que continua frestando Curitiba e tentando colocar consoantes eslavas em seu sotaque, misturando cuque com rollmops?

Pois este é Dante Mendoça, de Nova Trento. Um renascentista que mescla o Concílio de Trento (1545-1563), que discutiu as reformas que trouxeram grupos dissidentes de volta à igreja, com a Câmara Municipal de Nova Trento, cuja mão Dona Cremilda foi presidente e abriu ao questionamento mundial as reformas de sua cidade.

Curitiba é conhecida como túmulo de orquestras espanholas (Suspiros de Espanha, Castrito e Csassino de Sevilha), porque os músicos acabavam se apixonando por alguma polaca e aqui encerravam suas carreiras. Também assim termibou a carreira de boêmio do Dante ao se apaixonar pela Maí.
dantem
Até hoje não se sabe se a união do Dante com a Maí inspirou o casamento de Michael Corleone com sua italianinha, no filme O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola, ou se foi o cntrário. O que se sabe é que foi a Maí que botou o Dante nos trilhos.

Dante começou como mascote do time de cartunistas de Curitiba e hoje navega nas letras, à altura de seus mais ilustres cronistas.

O livro é um delicioso passeio pela história de Curitiba. Leitura obrigatória para curitibanos e não curitibanos, neotrentinos entre eles.

Este livro marca a passagem do Dante do desenho para a crônica, do sonho para a descrição do mesmo.

E agora com vocês, Vila Nossa Senhora da luz e Bom Jesus dos Pinhais, doravante Curitiba, e seu bardo emérito, doravante Dante.

_____________

Livro: Curitiba: melhores defeitos, piores qualidades.
Autor: Dante Mendonça.
Editora: Bernúncia Editora.
Páginas: 287.
Preço: R$ 50,00

Uma resposta para “Céus e Infernos de Curitiba, por Dante

  1. Cleto, meu amigo dileto

    obrigadíssimo pelo post, obrigadíssimo pelo carinho, obrigadissimo por tudo. Fui muito bem tratado em Curitiba, que já mora no meu coração, assim como você. aqui na ilha, estamos à disposição pra qualquer coisa.

    recebe o meu abraço e a minha amizade sincera

    vinícius

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s