Arquivo do mês: março 2009

Ronda Cósmica

rondacosmica

Projeto meu pensamento em linha reta até a cordilheira
(e sei que esta reta, em razão da curvatura da Terra,
se recurva suave, passando pelas altas árvores da floresta,
após um curso exato sobre o paralelo de Capricórnio,
pelo pantanal e também refletindo-se nas águas do Madeira, do Purus, do Juruá
e do Solimões, nomes do grande rio
antes de se encontrarem com o Negro.

Subo as faldas da montanha da montanha ao Oriente
e, em seu ponto culminante, procuro outro claro pensamento,
em cujas janelas de vidro castanho quero ver
a luz provinda de um sol interior.

E embora a reta seja necessariamente curva,
em razão da curvatura do próprio Universo,
ainda é a distância mais curta entre dois pontos:

eis que faço dela um ponto único
concentrado em dois corpos
que podem ocupar um mesmo lugar no espaço e no tempo.
Faço do ponto um momento absoluto de amor
em que teu corpo se funde ao meu.
E navegamos por todas as galáxias
na viagem cósmica de alguns eternos segundos.

Não há tempo, não há hora.
No repouso, minhas mãos
continuam a viagem por teu corpo,
explorando cordilheiras e vales,
enquanto murmúrios de acalanto
chegam aos meus ouvidos,
conduzidos pelos ventos alísios que nascem de altas pressões subtropicais
e de baixas pressões equatoriais.

Tu jazes, quieta, sob o encanto da viagem.
E teu corpo abriga, em gotas de suor,
milhares de estrelas novas,
que, aos poucos, vão se transformando em supernovas,
explodindo na umidade de minhas mãos.

Tu jazes, letárgica,
enfeitiçada pela surpresa sempre renovada do abraço repetido.
Pouco a pouco, teus olhos voltam a se abrir
e é ao redor deles que eu gravito
adivinhando os mistérios da vida e da morte.

Refaz-se a calma da chegada
dessa viagem sem rumo conhecido
qual cometa errante a cumprir derrota divinamente imposta.

Para Teresa

Cleto de Assis
Curitiba
1980

A Paixão, segundo Manoel de Andrade

Lembro-me de meus tempos de catecismo. Mais ou menos aos oito anos de idade. Era tempo de ver a vida do lado de fora da família, onde certas conversas ainda eram reservadas a adultos. Era tempo de descoberta da leitura, ou a arte de associar letrinhas a coisas e sensações conhecidas e desconhecidas. Foi tempo da descoberta do cinema, lugar onde temas maiores que os familiares eram colocados ante os olhos infantis. E havia o amor e havia a paixão. Amor era meta permanente, dominante; paixão, coisa secreta, quase fulminante. Amor era a chama a ser conservada tranquila, apenas calorosa, para durar até a eternidade. Paixão era chama sem controle, incendiária, a queimar rapidamente toda a lenha. Por amor se vivia; por paixão se morria.

E eis que surge, frente ao menino, a Paixão de Cristo. Assim mesmo, com inicial maiúscula. E quem era – perguntava a criança curiosa – o objeto de tamanha, arrepiante, dolorosa paixão? No drama apresentado, não havia amor ou paixão entre um homem e uma mulher. Tratava-se – diziam os mais sábios – de um dos mistérios eclesiásticos, um dos tantos que a razão humana não alcançava explicar e deveria ser aceito pela fé, outro dos tantos mistérios. Quase a mesma coisa que o menino ouvia em família: isso você vai entender quando crescer. Mas esse mistério ficou entalado na cabeça infantil que, se presume, cresceu e não entendeu o mistério da Paixão. A explicação circunloquial poderia ter sido mais simples, mais construtiva.

Independentemente do que sabemos ou não sabemos sobre tais mistérios (passei a contentar-me e extasiar-me com o grande e belo e infindo mistério da Vida), a celebração da Semana Santa, entre os cristãos, que culmina no domingo de Páscoa, assinala também momentos de reflexão sobre a crueldade que pessoas podem infligir a outras pessoas, muitas vezes porque apenas as separam pensamentos e idéias diferentes. No filme de Mel Gibson sobre o sofrimento de Cristo, a crueldade é mostrada em detalhes, quase num assomo de sadomasoquismo. Mas aquelas cenas não deixam de ser simbólicas, num momento de nossa sociedade em que a violência do homem contra o homem, talvez pela dinâmica instantânea da comunicação, está cada vez mais presente em nossas vidas.

Assim também o faz, por meio da poesia, Manoel de Andrade, no depósito feito no Banco da Poesia, para publicação na chamada Semana Santa. Somos todos gratos a você, Manoel, pela beleza de seu poema.

ECCE HOMO

ecce-homo_rouault21

Levam ao Sinédrio o humilde Nazareno
para que se julgue o amor e a inocência
e  diante  da  judaica  prepotência
o Mestre se mantém doce e sereno.

Por ser blasfemador é réu de morte
diz  Caifás com desprezo ao acusado
e  depois  de  cuspido e  maltratado
aos romanos entregam a  sua  sorte.

No pátio do palácio a massa se aglutina
e um prenúncio sinistro percorre a multidão
traído e abandonado à própria provação
aguarda  o  prisioneiro  a  sua  sina.

– É um visionário, um sonhador  somente,
e me comove sua mansidão, sua pobreza…
diz Pilatos…, convicto  da  certeza
de estar frente a um homem inocente.

Diante da  injustiça  e  do  impasse
transfere  a  Antipas  a  sentença
mas o tetrarca  devolve-lhe a presença
com os espinhos ensangüentando a face.

Coberto com  o  manto  da ironia
e como cetro uma cana  retorcida
nessa  imagem de realeza  escarnecida
trazem novamente o Rabi à pretoria.

Tenta Pilatos um último  artifício
para acalmar a plebe alucinada
e espera que a espádua açoitada
salve  o  Galileu  do sacrifício.

Rasga-lhe  a  carne  o  látego  cruel
e nem um murmúrio de dor ante o flagelo.
Envilecido e ultrajado, invencível e belo
cumpre a Trágica Figura o seu papel.

Mas ainda assim a turba em desatino
exige que a condenação seja mantida
e Pilatos propõe à massa ensandecida
que  delibere  sobre  o  seu  destino.

Diante do pretório e amotinado
o  povo  absolve  Barrabás
e movido pelos asseclas de Caifás
exige o Galileu crucificado.

Ante a sentença e os gritos do estrupício
e entre a verdade e o interesse dos seus atos
lava  as  suas  mãos  Pôncio  Pilatos
e  entrega  o  Cordeiro  ao  sacrifício.

Na mais ingrata e suprema solidão
maltrapilho,  descalço  e  abatido
para o meio da escória é conduzido
sob o escárnio  cruel  da  multidão.

Passos  cambaleantes,  dor,  delírio
toda a ignomínia no símbolo da cruz
o madeiro infame nos ombros de Jesus
e o lancinante caminho do martírio.

Ergue-se o holocausto ao amor crucificado
na  dor  que  esmaga,  na  sede  insaciável
no estóico silêncio, no deboche intolerável
no lento suplício de um Homem sem pecado.

E na agonia do Calvário, rumo à glória,
roga  a  Deus  perdão  para  os  algozes…
Por tanto amor recebe os golpes mais atrozes
e o julgamento mais iníquo da história.

Manoel de Andrade

Curitiba,   26/02/04
___________________

NOTAS

Ecce homo – Eis o homem. Palavras de Pilatos ao apresentar Jesus aos judeus
Ilustração: “Ecce homo”
Georges Rouault (Paris, 1871 – 1958),
Pintura completada entre 1937-41.
Óleo sobre tela colada em madeira, 34 x 24.4 cm
Museu Nacional de Arte Moderna, Paris

Nova conta: Marilda Confortin

Recolhi no site www.palavreiros.org uma definição do poeta baiano Goulart Gomes sobre a sua proposta literária Poetrix, hoje um movimento ao qual aderiram muitos poetas. O poetrix deriva do hai-kai, (também grafado haiku ou haiko), composição poética japonesa, popularizada no Brasil,de certa forma, por Millôr Fernandes, que a utiliza de quando em quando, sempre com seu humor inteligente. No Paraná, pelo três poetas expressivos marcaram suas obras com hai-kais: Helena Kolody, Paulo Leminski e Alice Ruiz .

Explica Goulart Gomes: “Foi Aníbal Beça, um dos maiores pesquisadores brasileiros de Hai-Kai, quem gentilmente me falou: ‘Goulart, pode chamar seus inventivos tercetos do que quiser, menos de Hai-Kais’. E ele estava absolutamente certo. Não podemos dizer que suco de uva
é vinho sem álcool. O Hai-Kai (ou Haiko) é uma milenar arte oriental, que vem aprimorando-se com o passar dos séculos. Mexer na essência das coisas significa criar uma coisa nova, diferente da anterior”.

“Assim, necessariamente, o Hai-Kai deve possuir 17 sílabas, divididas em 3 versos de 5, 7 e 5 sílabas; conter alguma referência à Natureza; referir-se a um evento particular e ater-se ao Presente.”

“O que apresento … – e que também é feito por muitos outros poetas – é o que agora proponho se chame POETRIX (poe, de poesia, poema; trix, de três, terceto), ou seja, a poesia em três versos, o terzetto, originalmente chamado na Itália.”

Com,o exemplo, um poetrix de Goulart:

poetrixtregua1

Em Curitiba, também temos uma poetrixta. Marilda Confortin adeiru com toda força (e muita sensibilidade) ao movimento e foi signatária do segundo manifesto Poetrix, abaixo reproduzido. Segundo a própria poeta, “esse tipo de terceto me caiu do céu. Despencou de uma nuvem de informação chamada internet, empurrado por um diabinho baiano chamado Goulart Gomes, no momento em que eu não escrevia nem lia mais poesia, exatamente por acreditar que era algo inútil”.

marilda11Estivemos juntos na última sexta-feira, na véspera do lançamentro do livro de Dante Mendonça (ver abaixo), com alguns amigos, numa plantação de abobrinhas  com lambaris fritos e  filé mignon no palito. Brincamos de poetas, falamos do humor rápido de Manuel Maria Barbosa du Bocage e Emilio de Menezes. Ela, sempre preocupada com seu trabalho na Prefeitura Municpal, com o qual colabora signficativamente na divulgação da cultura, princpalmente junto à população escolar, prometeu abrir sua conta no Banco da Poesia. Hoje, no final de domingo, quando cheguei em minha casa, após rever Rio Negro e Mafra (minha terra natal) e comer deliciosos pirogues elaborados por D. Leonarda França (que, além de excelente gourmetrice, é professora de literatura), encontrei um comentário de Marilda Confortin no relato de Manoel de Andrade sobre a revista FORMA. Em razão do carinho com o qual foi composto, reproduzo aqui o recado de Marilda e o seu primeiro depósito em forma de poetrix, com minha intromissão gráfica.

Queridos Manoel e Cleto,
sinto uma baita inveja por não ter participado dessa história. Mas, sinto-me privilegiada por ter a oportunidade de conhecê-los, lê-los, ouvi-los e dividir uma mesa de um bar, um lançamento de livro, um cofre nesse banco de poesias ou uma página virtual.
Permitam-me traduzir essa convivência pacífica entre passado, presente e futuro com um Poetrix de minha autoria (o poetrix é o mais recente estilo/jeito/fenômeno/movimento poético internacional, com milhares de adeptos, com coordenação e oficinas virtuais e encontros presenciais)
.

poetrixaldente1

Grande abraço

Marilda

SEGUNDO MANIFESTO POETRIX

Dos males, o menor!

Toda vanguarda será retaguarda: se não podemos ser eternos, sejamos pós-modernos; se não somos pós-doutores, sejamos pós-autores. Todas as ideologias estão mortas, todos os sujeitos fora de lugar.

Viva o Minimalismo e vamos flanar! O poetrixta desfolha a bandeira: descerrar é melhor que dissertar.

Nada se cria, tudo se copia, concluíram Bakhtin e Chacrinha. Então, vamos hiper, intra e intertextualizar, sejamos dialéticos, digitais e dialógicos. Queremos a inter/ação, queremos o simulacro, a paródia, o pastiche, o duplix, o triplix, o multiplix, o grafitrix, o clonix, o concretrix! Viva a ciberpoesia!

Fazer poetrix não é fatiar uma frase em três partes. Viva a insubordinação gramatical, a desobediência civil! Abaixo as orações coordenadas e subordinadas!

Fora do título não há salvação.

Não mais que trinta sílabas para dizer o máximo.

E viva o canibal! Viva o caeté que comeu sardinha e viva o Cabral!

Vamos privilegiar a inteligência do leitor! Que ele morda, mastigue, engula e faça a digestão. Que se vire! Abaixo os derramamentos da poesia fast-food! Dizer muito, falando pouco. Concisão e coerência. Exploremos os significados polissêmicos das frases, a riqueza semântica
das palavras, valorizemos as metáforas.

Queremos o salto
o susto
a semântica

a leveza
a rapidez
a exatidão
a visibilidade
a multiplicidade
a consistência

Queremos o Século XXI! Vamos acordar o Novo Milênio!

O poetrix é um projétil que se aloja na alma. O poetrix é um vírus em nossa memória discursiva. É a suprasíntese.

Viva Bakhtin, Kristeva, Calvino, Oswald e Drummond!

E viva a Poesia! E viva o Poetrix!

Viva a alegria e viva um planeta chamado Bahia!

Viva eu, viva tu e viva o rabo do tatu!

Maior é Deus.

Bahia, Brasil, 28/07/2002.

Goulart Gomes
Sonia Godoy
Edison Veiga Júnior
Oswaldo Francisco Martins
Marcos Gimenes Salun
Isar Maria Silveira
Angela Bretas
Antonio Carlos Menezes
Marilda Confortin
José Nêumanne Pinto
Aila Magalhães
Jussara Midlej

Céus e Infernos de Curitiba, por Dante

Dante Mendonça lançou ontem (28/03/2009) seu livro Curitiba – Melhores defeitos, piores qualidades, com o selo da Bernúncia Editora, de Florianópolis. O cenário escolhido foi o restaurante do Passeio Público, que já foi ponto de encontro de artistas, jornalista e políticos, quando era “Lá no Pasquale”. Muita gente prestigiando o evento, acompanhado também pelo editor Vinicius Alves e sua esposa Teresa, além de Maí Nascimento Mendonça, identificada no livro como “companheira de vida, revisora nas dúvidas e coautora nas certezas”.
lanclivro

Dante Mendonça e seu editor Vinicius Alves, com Cleto de Assis (à esquerda) como papagaio de pirata

O humor fino de Dante, que nasceu na charge e caminha também perfeitamente na crônica de costumes da cidade que adotou há 39 anos, torna ainda mais atraentes as qualidades de Curitiba e até mesmo possíveis defeitos que são apenas aspectos curiosos de uma cidade com muita personalidade. Mas não há uma Curitiba maniqueista, dividida entre o céu e inferno. Até porque o tema já foi esgotado por outro Dante, o italiano, que não possuia o humor sutil do Dante curitibano. Curitiba é uma cidade única, com qualidade de vida invejável e, mesmo quando seu céu anuncia chuva e frio, há bons motivos para o curitibano se orgulhar de sua terra. Dante conta muitos desses motivos em saborosas crônicas selecionadas entre as publicadas nos últimos oito anos nos jornais O Estado do Paraná e Tribuna do Paraná.

Mas ele recolheu jóias de outros escritores e artistas. As capas interiores do livro sãoi ilustradas com o mapa afetivo de Curitiba elaborado por Poty Lazzarotto, outro curitibano ilustre. Reproduz desenhos de colegas – como Solda e Tiago Recchia. Dante ganhou também orelha especial lavrada por Jaime Lerner, que diz ser o livro “leitura obrigatória para curitibanos e não curitibanos”. Transcrevo, abaixo, o aval de Lerner. Na tarde de sábado, li quase todo o livro, revendo lugares, personagens e, sobretudo, as idiossincrasias da urbe curitibana, habitada primitivamente por índios Tingui (que perderam o trema, mas conservam o hiato), todos comedores de pinhão, e desde o Séc. XVII povoada por brasileiros e estrangeiros de todos os jeitos e cores (tem até loiros de olhos azuis, presidente Lula!) que continuam comendo pinhão e vivem uma fantástica sinfonia racial. Muita gente já falou e escreveu sobre Curitiba. Mas Dante Mendonça dá a sua cidade adotiva, que hoje completa 316 invernos, o cartão de visitas que lhe faltava. Com muita graça. c. de a.

CUQUE COM ROLLMOPS

Jaime Lerner

Afinal, que é este Catarina que continua frestando Curitiba e tentando colocar consoantes eslavas em seu sotaque, misturando cuque com rollmops?

Pois este é Dante Mendoça, de Nova Trento. Um renascentista que mescla o Concílio de Trento (1545-1563), que discutiu as reformas que trouxeram grupos dissidentes de volta à igreja, com a Câmara Municipal de Nova Trento, cuja mão Dona Cremilda foi presidente e abriu ao questionamento mundial as reformas de sua cidade.

Curitiba é conhecida como túmulo de orquestras espanholas (Suspiros de Espanha, Castrito e Csassino de Sevilha), porque os músicos acabavam se apixonando por alguma polaca e aqui encerravam suas carreiras. Também assim termibou a carreira de boêmio do Dante ao se apaixonar pela Maí.
dantem
Até hoje não se sabe se a união do Dante com a Maí inspirou o casamento de Michael Corleone com sua italianinha, no filme O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola, ou se foi o cntrário. O que se sabe é que foi a Maí que botou o Dante nos trilhos.

Dante começou como mascote do time de cartunistas de Curitiba e hoje navega nas letras, à altura de seus mais ilustres cronistas.

O livro é um delicioso passeio pela história de Curitiba. Leitura obrigatória para curitibanos e não curitibanos, neotrentinos entre eles.

Este livro marca a passagem do Dante do desenho para a crônica, do sonho para a descrição do mesmo.

E agora com vocês, Vila Nossa Senhora da luz e Bom Jesus dos Pinhais, doravante Curitiba, e seu bardo emérito, doravante Dante.

_____________

Livro: Curitiba: melhores defeitos, piores qualidades.
Autor: Dante Mendonça.
Editora: Bernúncia Editora.
Páginas: 287.
Preço: R$ 50,00

Dicas de Fernando Pessoa – 02

fernandopdesA finalidade da arte não é agradar. O prazer é aqui um meio; neste caso não é um fim. A finalidade da arte é elevar.

Perante este princípio, é bem fácil de solucionar a famosa questão da arte e da moralidade. Não elevamos uma coisa fazendo-a tender para o mal.

Mas não será, então, a filosofia uma arte? O objetivo da filosofia não é também elevar? É, pois o conhecimento eleva – não pode rebaixar ninguém. A minha definição da finalidade da arte é, pois, demasiado ampla, demasiado extensa. Considerando melhor, a finalidade da arte é a ele¬vação do homem por meio da beleza. A finalidade da ciência é a elevação do homem por meio da verdade. A finalidade da religião é a elevação do homem por meio do bem.

Esta classificação permite-nos ver o motivo por que a religião tanto significa e porque é tão difícil levar os homens a abandoná-la. É que a religião é a arte prática.

Mas estou longe de pretender defender a religião. Na realidade, a minha esperança é que fundemos uma religião sem Deus – uma religião puramente do homem, cuja base sejam a benevolência e a bondade, em vez de a fé e a crença.

Por religião, note-se, não quero dizer teologia. Se alguma coisa é, a teologia é uma ciência, parte da metafísica. Sendo assim, a teologia é teórica; a religião é prática. O credo de Auguste Comte é mais religião do que teologia – é, talvez, mais ainda, pois não possui o elemento egoísta da preocupação com a salvação própria.

Como explicamos o gosto que tantos autores revelam por assuntos grosseiros, desagradáveis, repugnantes? Como poderemos explicar (…) de Zola; a Gato Preto, de Edgar Allan Poe?

Um motivo para este gosto encontramo-lo, segundo julgo, no espírito científico e analítico do autor. Outra razão consiste na originalidade do tema. Estará ela no cultivo de sensações novas?

Será tal gosto patológico ou não?

Como Baudelaire no seu Le Voyage, descerão “au fond de l’enfer pour trouver du nouveau”?
Em composições idealísticas, a símbolo tem de ser vago. Por vago, porém, não quero dizer obscuro. O seu significado deveria ser apreendido como vago nos seus limites e nos seus termos – em si próprio deve ser claro. O símbolo idealístico deve parecer-se com as nobres criações femininas de Shelley, as silhuetas, os contornos de cuja beleza inefável são incertos e indefinidos.

O símbolo satírico, por outro lado, deve ser claro, muito claro. Se for vago, deixa de produzir impacto no espírito.

(de Páginas de Estética e de Teoria e Crítica Literárias. Organização de Georg Rudolf Lind e Jacinto do Prado Coelho.Lisboa: Edições Ática, s.d.)

Está chegando a edição brasileira de Poemas para la Libertad

imagemanunciopl

Até agora inédito no Brasil, o sucesso editorial de Poemas para a Liberdade, do poeta Manoel de Andrade, foi tão considerável quanto seu alcance político. A obra estreou em 1970, na Bolívia. A 2ª edição, colombiana, esgotou-se em poucas semanas nas livrarias de Cali e Bogotá. A 3a edição, lançada em San Diego, em 1971, espalhou-se pela Califórnia e pelo sudoeste dos EUA, levada pelos estudantes e intelectuais chicanos. Suas primeiras edições panfletárias, lançadas em 1970 em Cuzco e Arequipa, espalharam-se pelo meio estudantil do Peru e percorreram a América nas mochilas de estudantes latino-americanos. Seus poemas foram publicados em jornais, revistas, opúsculos, cartazes e panfletos.

A nova edição de Poemas para a Liberdade, agora bilíngue, será lançada em Curitiba no próximo dia 15 de abril, a partir das 20 horas, no Espaço Cultural Alberto Massuda (Rua Trajano Reis, 453 -Centro Histórico)

O autor, Manoel de Andrade, é catarinense radicado no Paraná, onde se formou em Direito. Deixou o Brasil em março de 1969, perseguido em razão da panfletagem de seu poema Saudação a Che Guevara, em uma época em que sua poesia começava a ser conhecida nacionalmente por meio de jornais e publicações como a Revista Civilização Brasileira. Seu relacionamento com o movimento estudantil da Bolívia lhe custo a expulsão daquele país, em fins de 1969.  Ali havia chegado em setembro para se integrar ao movimento guerrilheiro comandado por Inti Peredo. Foi preso e expulso do Peru e da Colômbia em 1970. Seus Poemas para la Libertad tiveram uma trajetória política e uma aventura literária que dificilmente outro livro tenha tido. Como falam da luta armada e cantam a saga guerrilheira em uma América Latina então controlada por ditaduras militares, cruzaram clandestinamente certas fronteiras, como uma mala com 200 exemplares da edição boliviana, que chegou a Guayaquil por via fluvial, trazida do Peru por contrabandistas equatorianos.

Poemas para a Liberdade consta de vários catálogos da literatura latino-americana e seus poemas foram inluídos em várias antologias, como Poesia Latinoamericana – Antología Bilingue, publicada em 1998 pela Epsilon Editores de México, em que o autor partilha suas páginas com consagrados poetas, como Mario Benedetti, Juan Gelman e Jaime Sabines.

A capa do livro da nova edição foi inspirada em cartaz de um recital do autor em 1970, na Universidad de Los Andes, Bogotá, Colômbia.

Sobre o autor

Manoel de Andrade nasceu em 1940, em Rio Negrinho, SC. Graduado em Direito no Paraná, começa a publicar seus versos na imprensa curitibana em 1962. Em 1965, recebe o 1º prêmio no Concurso de Poesia Moderna promovido pelo Centro de Letras do Paraná. Ainda em 1965, participa da Noite da Poesia Paranaense, no Teatro Guaíra. Em 1966, a Revista Forma publica seu premiado Poema Brabo. Em 1968, sua Canção para os homens sem face é publicada pela Revista Civilização Brasileira e, ainda naquele ano, junto com Dalton Trevisan e Jamil Snege, é apontado pela imprensa local, como um dos três destaques literários no Paraná. Na época, foi chamado de “poeta maior” pelo jornalista Aroldo Murá Haygert e, posteriormente, destacado pelo crítico Wilson Martins pela sua “grande poesia”. Manoel de Andrade fugiu do Brasil em março de 1969, pela repercussão da panfletagem de seus poemas políticos. Atravessou 15 países da América publicando livros,promovendo debates, dando palestras e declamando seus versos em teatros, universidades e sindicatos. Seu primeiro livro, Poemas para la Libertad é publicado em junho de 1970 na Bolívia e, em janeiro de 1971, Canción de amor a América y otros poemas é editado na Nicarágua e em El Salvador. Em fevereiro daquele ano, Francisco Julião, exilado no México, abre seu primeiro recital de poesia na capital mexicana e, em seguida participa, em Tampico, das comemorações do 37º aniversário de morte de Augusto Cesar Sandino. Em março, viaja à Califórnia, para palestras e recitais nas universidades de San Diego, Los Angeles, Berkeley e São Francisco. Em agosto é convidado pela Universidade Central do Equador a apresentar um ciclo de palestras sobre problemas centro-americanos. Em 1972 retorna anonimamente ao Brasil.

Afastado 30 anos da literatura, participa, em 2002, da coletânea paranaense Próximas Palavras. Volta a publicar em 2007, com o lançamento de seu livro Cantares, publicado pela Escrituras Editora, também responsável pela edição brasileira de Poemas para a Liberdade.

retratojuarez2

Retrato do poeta quando jovem, de 1964, obra do artista Juarez Machado
41x61cm – nanquim e guache sobre papel

Poema inédito de João Batista do Lago

Palavra

palavra

Coisa estranha este fenômeno: Palavra!
Nela tudo se decompõe
Numa razão assimétrica
Incoerente e disfuncional
Para no ato seguinte
Ser toda ela funcional
De toda metafísica que se impõe

Não conheço qualquer ser
Que dela não dependa
Nada se lhe escapa
– seja na vida;
seja na morte

Tudo dela depende:
Paz e guerra
Homem e mulher
Criança e adulto
Fome e fartura
Miséria e riqueza
Leis e anomia
Patrão e empregado
Trabalho e desemprego
Céu e terra
Deus e diabo…

Não há na vida
Nem na morte
Sujeito de tamanha grandeza
Dela tem-se toda verdade
Mas a mentira nela invade

Ó, a Palavra!
Reina de todos Poetas
Dela fazem uso os Filósofos
A ela se quedam os cientistas
Diante dela ajoelham religiosos
Na retórica é brinquedo de sofistas

Santa e demoníaca é a Palavra!
Desperta amor e ódio
Fere a alma e o espírito como faca de dois gumes
Rasga a carne do verbo
Dilacera corações de amantes (e)
Beija as mãos que apedreja

Palavra! Ó tu, meiga e doce Palavra!
Rude e azeda como o fel da ponta da lança
Voraz, caidiça, decrépita e senil
Bela, altiva, nobre e digna
Arrogante, soberba e presunçosa
Sou-te o mais humilde escravo na floresta do discurso

Nada – desde a poeira do nada – define-te. Nada!
Explicar-te é todo o mistério
Entender-te é tudo que se deseja
És toda possibilidade do Ser – deus ou diabo –
Habitas no sonho, na realidade e no real
Constróis e desconstróis paraísos e infernos

És o símbolo oculto da mandala
De Parmênides a Sócrates
De Platão a Aristóteles
Sânscrita, ó Palavra, tu és
És mestre do hinduismo e do budismo e do tantrismo
És, enfim, a Paidéia de tudo ser